Escolha as suas informações

Grão-Duque Jean vai estar em câmara ardente aberta ao público
Tal como aconteceu com a morte da Grã-Duquesa Joséphine Charlotte, em 2005 (na imagem), o funeral de Jean do Luxemburgo terá honras de Estado.

Grão-Duque Jean vai estar em câmara ardente aberta ao público

Foto: Marc Wilwert / Arquivos Luxemburger Wort
Tal como aconteceu com a morte da Grã-Duquesa Joséphine Charlotte, em 2005 (na imagem), o funeral de Jean do Luxemburgo terá honras de Estado.
Luxemburgo 2 min. 25.04.2019

Grão-Duque Jean vai estar em câmara ardente aberta ao público

O corpo do Grão-Duque Jean, falecido na terça-feira, vai estar em câmara ardente no Palácio grão-ducal a partir de segunda-feira. Durante cinco dias, o público vai poder "prestar uma última homenagem a Sua Alteza Real", informou hoje a Casa Grã-Ducal.

O caixão com o corpo do Grão-Duque Jean vai ser transportado do castelo de Berg para o Palácio Grão-Ducal, na capital luxemburguesa, anunciou hoje a Casa Grã-Ducal. A transladação ocorrerá no domingo, devendo o caixão chegar ao palácio cerca das 15h, informa a nota de imprensa.

À chegada à cidade do Luxemburgo, o cortejo funerário seguirá pelo boulevard Royal e a rua Notre-Dame, terminando na rua do Marché aux Herbes, em frente ao Palácio, segundo o comunicado.

O corpo ficará em câmara ardente no Palácio Grão-Ducal até 3 de maio, a véspera do funeral. O local vai estar aberto ao público a partir de segunda-feira, dia 29 de abril, para que o "público desejoso de prestar uma última homenagem a Sua Alteza Real" o possa fazer, diz-se na nota.

As visitas ao público são possíveis durante cinco dias, nos seguintes horários:

Segunda-feira, dia 29 de abril - das 14h às 19h

Terça-feira, dia 30 de abril - das 10h às 12h e das 14h às 19h

Quarta-feira, dia 1 de maio - das 10h às 19h

Quinta-feira, dia 2 de Maio -  das 10h às 12h e das 14h às 19h

Sexta-feira, dia 3 de maio - das 10h às 12h e das 14h às 16h

Um livro de condolências estará à disposição do público no posto de guarda do Palácio Grão-Ducal, e também no Castelo de Berg, residência dos Grão-Duques, e no Castelo de Fischbach, onde vivia Jean do Luxemburgo, informa a nota. No Palácio grão-ducal, o público poderá igualmente deixar uma mensagem à saída da câmara ardente.

Por razões de segurança, não são permitidas máquinas fotográficas ou de vídeo nem sacos voluminosos, precisa-se na nota.


Jean do Luxemburgo, o bisneto de um rei português que foi herói nacional
Neto de Maria Ana de Bragança, filha do rei português D. Miguel, Jean do Luxemburgo assistiu aos acontecimentos mais importantes do seu país durante os seus 98 anos de vida. E não foi apenas uma testemunha passiva da História. O ex-soberano, falecido na madrugada de terça-feira, lutou para libertar o Grão-Ducado junto do Exército britânico, depois de uma fuga para o exílio que passou por Portugal.

Funeral vai ter inscrições limitadas para o público

Os Grão-Duques Henri e Maria Teresa "expressaram o desejo de que o público possa assistir à missa do funeral" na catedral de Notre-Dame, marcada para 4 de maio, às 11h, mas por causa do número limitado de lugares disponíveis, é necessário inscrição prévia. Os lugares serão atribuídos por ordem de inscrição, informou a Casa Grão-Ducal.

A inscrição pode ser feita a partir de segunda-feira, dia 29 de abril, a partir das 9h da manhã, no site da Casa Grão-Ducal, ou pelo telefone +352 474 874 – 810. Cada pessoa pode apenas fazer a inscrição para si e mais uma pessoa (duas no total). Por razões de segurança, quem tiver obtido lugar na missa deverá apresentar-se no Grand Théâtre da cidade do Luxemburgo entre as 8h30 e as 9h da manhã, no dia do funeral, sendo o transporte para a catedral assegurado por autocarro fretado para o efeito.

O grão-duque Jean, soberano do Luxemburgo durante 36 anos, faleceu na madrugada de terça-feira, com 98 anos. Foi soldado e oficial do exército britânico durante a Segunda Guerra Mundial e participou no desembarque da Normandia. A sua última aparição pública deu-se em final de março, durante um fórum organizado pela nora, a grã-duquesa Maria Teresa, sobre o combate à violência sexual nas zonas de guerra.


Notícias relacionadas

Jean do Luxemburgo, o bisneto de um rei português que foi herói nacional
Neto de Maria Ana de Bragança, filha do rei português D. Miguel, Jean do Luxemburgo assistiu aos acontecimentos mais importantes do seu país durante os seus 98 anos de vida. E não foi apenas uma testemunha passiva da História. O ex-soberano, falecido na madrugada de terça-feira, lutou para libertar o Grão-Ducado junto do Exército britânico, depois de uma fuga para o exílio que passou por Portugal.