Escolha as suas informações

Governo não quer tornar vacina obrigatória apesar de novos casos de sarampo no Luxemburgo
Luxemburgo 3 min. 27.03.2019

Governo não quer tornar vacina obrigatória apesar de novos casos de sarampo no Luxemburgo

Na Ucrânia, só em 2019 quase 25 mil pessoas foram infetadas com sarampo e 11 morreram, de acordo com os números do governo.

Governo não quer tornar vacina obrigatória apesar de novos casos de sarampo no Luxemburgo

Na Ucrânia, só em 2019 quase 25 mil pessoas foram infetadas com sarampo e 11 morreram, de acordo com os números do governo.
Foto: AFP
Luxemburgo 3 min. 27.03.2019

Governo não quer tornar vacina obrigatória apesar de novos casos de sarampo no Luxemburgo

Catarina OSÓRIO
Catarina OSÓRIO
Sete casos de sarampo foram identificados na semana passada na Escola Europeia de Mamer.

O Ministério da Saúde luxemburguês não vê necessidade de tornar a vacinação obrigatória no Grão-Ducado. A questão colocada pelo Contacto surge num momento em que há sete casos de sarampo identificado no país e, ao mesmo tempo, em que Itália e França tornaram a imunização da crianças e jovens obrigatória, de forma a conter os recentes surtos de sarampo neste países e na Europa em geral. 

"Neste momento, o Ministério da Saúde é da opinião que não é necessário tornar a vacinação obrigatória", respondeu o gabinete de imprensa do executivo ao Contacto. Após ter anunciado a existência de cinco casos de sarampo no Grão-Ducado na semana passada, dois dias depois o Ministério de Étienne Schneider informava que o número tinha subido para sete. Todos os casos tiveram origem na Escola Europeia de Mamer. 

Apesar de a vacinação não ser obrigatória no país, as autoridades de saúde recomendam a vacinação das crianças até aos dois anos com as duas doses da vacina única contra o sarampo, a papeira, a rubéola e a varicela (MMRV). A vacina pode ser tomada a partir dos 12 meses. Os adultos nascidos depois de 1980 que não tomaram esta vacina são também aconselhados a fazê-lo. 


Paranóia antivacinas chega ao Luxemburgo
Movimento contra a vacinação diz que há cada vez mais pessoas que recusam imunizar os filhos contra doenças infecciosas.

Surtos de sarampo: Itália e França tornam vacinação obrigatória

Os surtos de sarampo atingiram valores recorde em 2018. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), em 2018 houve mais de 82 mil casos de sarampo que resultaram em 36 mortes, um aumento de 50% em relação a 2017. Países como França, Grécia, Itália, Rússia, Sérvia, Geórgia e Ucrânia registaram milhares de infetados só em 2018, sendo que os surtos não parecem abrandar. Na Ucrânia, só em 2019 quase 25 mil pessoas foram infetadas com sarampo e 11 morreram, de acordo com os números do governo. 

Na maior parte dos casos, a OMS e os executivos europeus atribuem estas fatalidades à não vacinação. O assunto tornou-se uma preocupação para alguns Governos europeus que começaram a legislar sobre o tema, tornando a vacinação obrigatória. No início de março, o governo italiano introduziu um pacote de vacinação mandatória das crianças até aos seis anos, incluindo sarampo, rubéola e papeira. França seguiu o mesmo caminho e tornou obrigatória a toma de oito vacinas, incluindo a do sarampo. Alemanha é o mais recente país a ponderar a medida

Em 2018, o Luxemburgo registou apenas quatro casos de sarampo. Em março de 2019, há sete casos identificados, e o balanço vai certamente ser mais elevado no final deste ano. Mas, tal como já referido, o executivo não vê, para já, a necessidade de adoptar medidas mais radicais. 

Recentemente, o Contacto noticiou também a existência de um movimento antivacinação no Luxemburgo que refere existirem cada vez mais pais interessados em não vacinar os filhos. Questionado sobre esta associação, o Ministério da Saúde recusou-se a fazer qualquer comentário. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas