Escolha as suas informações

Fronteira com o Luxemburgo paralisada esta manhã
Luxemburgo 05.10.2020

Fronteira com o Luxemburgo paralisada esta manhã

Fronteira com o Luxemburgo paralisada esta manhã

Foto: Pierre Matgé
Luxemburgo 05.10.2020

Fronteira com o Luxemburgo paralisada esta manhã

Protesto pacífico, sobre o conflito em Nagorno-Karabakh, criou perturbações ao trânsito em direção ao Luxemburgo.

Várias dezenas de pessoas manifestaram-se esta segunda-feira de manhã, por volta das 6:00, na fronteira no sudoeste do Luxemburgo contra o conflito armado entre o Azerbaijão e a Arménia. O protesto aconteceu na estrada que liga a N804 e a N830, em direção ao Luxemburgo.

Os manifestantes oriundos da Bélgica, França e Grão-Ducado era oriundos de Longwy, Aubange e Rodange (respetivamente) demonstraram pacificamente o desagrado com a escalada do conflito em Nagorno-Karabakh, região disputada pela Arménia e Azerbaijão. 

Segundo avança o L'Essentiel, os membros da diáspora arménia percorreram cerca de 100 quilómetros, e bloquearam o tráfego na zona de interceção dos três países para sensibilizar para o conflito que se agudizou recentemente e onde já morreram 30 mil pessoas. "Queremos que a comunidade internacional acorde, é um grito do povo", afirmaram ao L'essentiel membros do movimento de protesto, que está presente no local. A manifestação ainda decorria às 7:30 da manhã, o que provocou alguma perturbação no trânsito na área.

Região disputada desde 1991

A região do Nagorno-Karabakh, no Cáucaso do Sul, tem suscitado interesses divergentes de diversas potências, em particular da Turquia, da Rússia, do Irão e de países ocidentais. Este território, de maioria arménia, integrado em 1921 no Azerbaijão pelas autoridades soviéticas, proclamou unilateralmente a independência em 1991, com o apoio da Arménia.

Foto: AFP

Na sequência da uma guerra que provocou 30.000 mortos e centenas de milhares de refugiados, foi assinado um cessar-fogo em 1994 e aceite a mediação do Grupo de Minsk, constituído no seio da OSCE, mas as escaramuças armadas permaneceram frequentes.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas