Escolha as suas informações

François Bausch lamenta situação de Félix Braz, mas diz que não havia alternativa
Luxemburgo 03.06.2021

François Bausch lamenta situação de Félix Braz, mas diz que não havia alternativa

François Bausch lamenta situação de Félix Braz, mas diz que não havia alternativa

Foto: Guy Jallay/Luxemburger Wort
Luxemburgo 03.06.2021

François Bausch lamenta situação de Félix Braz, mas diz que não havia alternativa

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Na altura foi preciso tomar rapidamente uma decisão para o bem do país, considerou o vice primeiro-ministro e ministro dos Transportes e da Defesa.

"Lamento o que aconteceu com o Félix Braz, mas não tínhamos alternativa". Foram as palavras proferidas pelo vice primeiro-ministro d' Os Verdes (Déi Gréng) François Bausch, em entrevista recente à RTL. 

Apesar de se mostrar solidário com o sofrimento do antigo ministro lusodescendente, Bausch afirmou que na altura foi preciso tomar rapidamente uma decisão para o bem do país. O governante recusou comentar a queixa apresentada no tribunal pelo antigo ministro da Justiça pela forma como foi demitido do Governo após o ataque cardíaco que sofreu em 2019. Mas considerou que o importante neste momento não é saber se a queixa vai ou não prejudicar o partido ecologista, mas sim a componente humana do caso.

Félix Braz recorreu aos tribunais no início de maio passado para tentar anular a demissão do cargo de ministro após ter tido o problema de saúde que o deixou em coma durante vários meses. O político do Déi Gréng quer que a sua demissão, pronunciada nesse ano através de um decreto grão-ducal, seja anulada, uma vez que, na sua opinião ocorreu de "forma forçada e involuntária".


Félix Braz recorre ao tribunal para anular demissão do cargo de ministro
Antigo ministro da Justiça diz que a demissão do cargo ocorreu de forma forçada e involuntária, após ter sofrido um ataque cardíaco em 2019.

O ministro lusodescendente foi vítima de um ataque cardíaco no dia 22 de agosto de 2019, quando passava férias na Bélgica. Um mês depois, a 25 de setembro, foi anunciada uma remodelação do Governo, sendo que o Grão-Duque Henri assinou no mês de outubro de 2019, um decreto que acordava a "demissão honrosa" do então ministro da Justiça.

Ainda em recuperação mas visivelmente melhor Félix Braz deu entrada em meados de maio deste ano, no Tribunal Administrativo, dois recursos. Um deles recursos diz respeito à própria demissão que Braz não pôde pedir pessoalmente. O outro recurso é contra o Centro de Gestão do Pessoal do Estado, uma vez que segundo o lusodescendente a indemnização que recebeu é "discriminatória e não corresponde ao estipulado pela lei". 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

"Quando um homem cai, cai sozinho." Dois anos depois do ataque cardíaco e do coma, o lusodescendente que chegou a vice-primeiro-ministro do Luxemburgo fala de traição e amor, combate e sobrevivência. Uma reportagem com depoimentos, vídeos e imagens exclusivas.