Escolha as suas informações

Fotos. Conheça o A400M por dentro, que vai repatriar seis residentes luxemburgueses
Luxemburgo 29 18.08.2021 Do nosso arquivo online
Afeganistão

Fotos. Conheça o A400M por dentro, que vai repatriar seis residentes luxemburgueses

Afeganistão

Fotos. Conheça o A400M por dentro, que vai repatriar seis residentes luxemburgueses

Foto: Gerry Huberty/Luxemburger Wort
Luxemburgo 29 18.08.2021 Do nosso arquivo online
Afeganistão

Fotos. Conheça o A400M por dentro, que vai repatriar seis residentes luxemburgueses

Catarina OSÓRIO
Catarina OSÓRIO
O avião é operado por uma frota binacional belgo-luxemburguesa na base militar de Melsbroek, na Bélgica. Foi inaugurado em outubro de 2020.

O A400M foi inaugurado em outubro de 2020, ato que teve direito a uma cerimónia com a presença do Grão-Duque Henri e o ministro da Defesa, François Bausch. Nos próximos dias vai repatriar seis residentes do Luxemburgo do Afeganistão. Conheça a aeronave na galeria abaixo e leia mais sobre on funcionamento e para que é utilizada. 

O aparelho militar integra a frota binacional belgo-luxemburguesa de oito aviões, dos quais sete são para a Bélgica e um para o Luxemburgo. A frota binacional está sob o comando do Comando Europeu de Transporte Aéreo, um comando operacional que inclui 7 países europeus. 

O A400M é utilizado para o transporte de equipamento, mas também para ajuda humanitária, contava no ano passado o gabinete de imprensa do Exército luxemburguês ao Contacto. 


Afeganistão. A imagem do desespero que se tornou viral
Avião norte-americano com 640 afegãos que deixaram o seu país tornou-se o símbolo do desespero de milhares de pessoas que tentam escapar ao regime dos talibãs.

Construído pela Airbus, o avião é operado por uma frota binacional belgo-luxemburguesa na base militar de Melsbroek, na Bélgica. Do Luxemburgo integram três tripulações, seis pilotos (oficiais) e seis membros de pessoal de apoio (oficiais subalternos).

Segundo a mesma fonte, a aeronave custou aproximadamente 197,3 milhões de euros. Para além disto, e durante um período de 35 anos, os custos de funcionamento e de apoio serão de 420 milhões de euros, ou seja, 12 milhões de euros por ano.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas