Escolha as suas informações

Findel continua a exigir teste negativo até 15 de maio
Luxemburgo 3 min. 30.03.2021

Findel continua a exigir teste negativo até 15 de maio

Findel continua a exigir teste negativo até 15 de maio

Foto: Luxemburger Wort/Anouk Antony
Luxemburgo 3 min. 30.03.2021

Findel continua a exigir teste negativo até 15 de maio

Teresa CAMARÃO
Teresa CAMARÃO
Há alterações para quem chega de fora da Europa: acabaram os testes rápidos no pós aterragem. A outra grande novidade é que as autoridades luxemburguesas já os teste rápidos dos viajantes dos estados membros da UE.

Pelo menos até 15 de maio mantém-se a obrigatoriedade da apresentação do teste PCR negativo para aterrar no aeroporto de Findel, depois do Governo ter decidido alargar o prazo da medida que tem como objetivo central desencorajar as deslocações não essenciais, para travar a propagação das recentes e mais infecciosas variantes da covid-19. A grande novidade é que o país também já aceita testes rápidos. 

Em termos concretos, qualquer pessoa com 6 anos ou mais que chegue ao Grão-Ducado por via aérea deve ter um teste negativo com menos de 72 horas de idade. Uma medida que se aplica "independentemente da nacionalidade", sublinha o Ministério das Relações Exteriores e o Ministério da Saúde em sua declaração publicada esta segunda-feira à noite. 

O teste PCR deve ser realizado por um laboratório de análises médicas "ou qualquer outro órgão autorizado para este fim". O resultado pode ser apresentado em papel ou em formato eletrónico. 

Depois de um período inicial e das dezenas de pessoas que foram ficando em terra, o Luxemburgo já aceita traduções em português, inglês espanhol e italiano, além das três línguas oficiais do país. 


Vai viajar para o Luxemburgo? Resultados negativos em português passam a ser aceites
Apresentação de teste negativo da covid-19 a quem viaja de avião para o Grão-Ducado vai continuar em vigor pelo menos até ao fim de março.

 "Fim" dos testes rápidos no Findel 

 A grande novidade do novo diploma do Governo de coligação liderado por Xavier Bettel é o facto dos viajantes provenientes de países terceiros à União Europeia (UE) deixam de ser obrigados a realizar um teste rápido quando desembarcam no Luxemburgo. 

A partir desta quinta-feira, 1º de abril, viajando de avião, os nacionais extra UE passam a estar equiparados a todos os outros, pelo que só devem incluir na documentação da viagem um PCR negativo, feito com 72 horas de antecedência. A única diferença é que, ao contrário do que está estipulado para os europeus, as restrições à entrada destes viajantes no território luxemburguês foram alargadas até 30 de junho e não até ao fim da primeira quinzena do mês de maio. Longe das metas da vacinação, o país vai de alargamento em alargamento para não encerrar fronteiras. 

Não há testes grátis para turistas 

A partir da próxima segunda-feira, os custos do "novo passaporte" para entrar ou sair do país passam a ser suportados pelos viajantes. Alunos internacionais e trabalhadores em trânsito continuam isentos. 

Depois da enchente registada nos centros de testagem a mais de uma semana das férias da Páscoa e da circular da Direção de Saúde que pede aos médicos que deixem de passar receitas de testes PCR a pessoas que não apresentem qualquer sintoma da covid-19, o Ministério da Saúde decidiu que, a partir de 5 de abril, qualquer pessoa que pretenda realizar um destes exames de diagnóstico com motivos meramente turísticos deve assumir os custos da prova que já é exigida para entrar na maior parte dos aeroportos da UE, Luxemburgo e Portugal incluídos. 

Assim, a partir de segunda-feira as marcações para os testes gratuitos disponíveis na plataforma MyGuichet.lu deixam de estar disponíveis para viajantes, à exceção dos que provem ser ou estudantes internacionais ou trabalhadores em trânsito. 

De 5 de abril em diante, os alunos que precisam apresentar teste negativo antes de retornar à universidade, devem recorrer ao sindicato de estudantes ACEL. Os viajantes a negócios podem inscrever-se para um teste gratuito na Chambre de Commerce ou na House of Entrepreneurship. 

Agora obrigatório para todas as viagens aéreas a partir do Luxemburgo, mas também para viagens de carro para vários países próximos, como França e Áustria, o teste PCR tornou-se numa espécie de "novo passaporte" para deslocações internacionais. Por cá, pode de fazer-se, por 60 euros, nos três laboratórios privados. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas