Escolha as suas informações

Xavier Bettel defende "Luxemburgo forte" dentro de "Europa forte"
Luxemburgo 4 min. 23.06.2021
Festa Nacional

Xavier Bettel defende "Luxemburgo forte" dentro de "Europa forte"

Festa Nacional

Xavier Bettel defende "Luxemburgo forte" dentro de "Europa forte"

Foto: SIP/Sophie Margue
Luxemburgo 4 min. 23.06.2021
Festa Nacional

Xavier Bettel defende "Luxemburgo forte" dentro de "Europa forte"

Ana TOMÁS
Ana TOMÁS
Entre o balanço da pandemia e o futuro, o primeiro-ministro lembrou as vítimas da covid-19, agradeceu aos trabalhadores da linha da frente e aos cidadãos pelo empenho no combate à crise sanitária e apontou os progressos feitos pelo país na recuperação económica.

É um Luxemburgo "forte" dentro de uma Europa também forte aquele que deverá sair da crise provocada pela pandemia da covid-19, defendeu, esta quarta-feira, 23 de junho, o primeiro-ministro Xavier Bettel, no seu discurso na cerimónia do Dia Nacional. Um discurso em que o governante elogiou a união dos cidadãos, o empenho dos trabalhadores da linha da frente, sem esquecer os trabalhadores estrangeiros, e a estratégia de testagem em massa do país, no combate à pandemia, mas em que projetou, igualmente, o cenário pós-pandémico, sublinhando os primeiros sinais de recuperação económica e as potencialidades de um país que se quer forte, apesar da dependência transfronteiriça.

"O futuro do Luxemburgo depende de uma Europa forte. A pandemia deu-nos mais uma vez a prova disso. Somos mais dependentes do que qualquer outro país de fronteiras abertas e de um mercado interno forte. Nos últimos meses, porém, redescobrimos também a importância da produção e consumo locais. Precisamos, portanto, de um Luxemburgo forte dentro de uma União Europeia forte", referiu o primeiro-ministro no final do seu discurso, sublinhando a defesa dos valores europeus, da liberdade e da democracia.


"Humanidade, solidariedade, tolerância, respeito". A pandemia mostrou-nos o que realmente importa, diz Grão-Duque
Num discurso marcado pela pandemia o Grão-Duque Henri pediu um minuto de silêncio pelas vítimas da covid-19 no país e afirmou que a crise fez-nos olhar para algumas profissões com outros olhos.

Xavier Bettel lembrou  que, apesar da evolução positiva dos números da covid-19, atualmente, no Luxemburgo e que o país esteja "no caminho certo",  a pandemia ainda não acabou. "Devemos permanecer vigilantes e agir de forma responsável", afirmou o chefe do Governo luxemburguês que tinha começado o seu discurso, precisamente, com um balanço deste ano e meio de crise sanitária agradecendo aos cidadãos o cumprimento das medidas e o respeito pelas restrições impostas.

"Até agora, o Luxemburgo tem resistido bem à crise. E isto é sobretudo graças a vós, caros cidadãos. 'Somos todos parte da solução', dissemos muitas vezes. E vocês deram o exemplo, mostrando solidariedade para com os mais vulneráveis entre nós, observando todas as medidas impostas de forma exemplar, contribuindo para o sucesso da nossa campanha de vacinação. Se resistimos melhor à pandemia do que muitos outros países, é porque escolhemos seguir o nosso próprio caminho", afirmou, defendendo que o modelo de sucesso do Luxemburgo se baseia na estratégia de testes em larga escala, que permitiu "acompanhar de perto o progresso das infeções" e garantir um "equilíbrio razoável entre todas as restrições necessárias e todas as liberdades possíveis". 

No balanço de mais de 12 meses de pandemia, Xavier Bettel agradeceu o "empenho extraordinário" dos profissionais da chamada linha da frente, ao "pessoal da saúde, à polícia, aos bombeiros e aos primeiros socorros que trabalham incansavelmente", mas também "às pessoas por trás das caixas registadoras e na arrumação das prateleiras [de supermercado]". 

O setor da educação também não foi esquecido pelo primeiro-ministro, que  agradeceu ao "pessoal docente e pedagógico que deu o seu coração e alma" para acompanhar as crianças. Os funcionários públicos e das administrações do Estado mereceram igualmente uma referência pelo apoio " rápido e eficiente" que oferecem aos cidadãos e empresas.


Fotos. As comemorações da Festa Nacional
As habituais comemorações da Festa Nacional tiveram lugar esta quarta-feira, a partir das 11h, junto ao Monumento Nacional da Solidariedade, no Plateau du Saint-Esprit, na capital.

"Obrigado a todas as pessoas que estão empenhadas em assegurar que a nossa vida diária possa seguir o seu curso. Obrigado também a todas as pessoas que ficaram em casa para proteger as pessoas à sua volta", disse o primeiro-ministro, fechando os agradecimentos com os emigrantes.  

"Finalmente, obrigado a todos os nossos cidadãos estrangeiros que vivem e trabalham no nosso país, e sem os quais os nossos sectores vitais não poderiam funcionar, antes, durante ou depois da pandemia".

Xavier Bettel lembrou ainda aqueles que perderam a vida ao longo do último ano, antes de terminar o seu discurso, apontando algumas das prioridades do Governo para o futuro, como a recuperação económica e o combate às alterações climáticas".


Henri e Maria Teresa celebram este ano 40 anos de casados.
"Façam da Festa Nacional um momento de solidariedade", apelam grão-duques
A Fundação do Grão-Duque e da Grã-Duquesa criou uma nova campanha de solidariedade para apoiar as famílias mais carenciadas no país.

"O Dia Nacional é um símbolo da nossa história. Mas o 23 de Junho é também um símbolo do futuro. O futuro de uma nação que não desiste. O futuro de um povo que olha para o futuro e enfrentará os desafios que se avizinham com coragem e otimismo. Penso nas alterações climáticas, que continuarão a preocupar-nos para além da crise do coronavírus. Devemos aos nossos jovens e às gerações futuras fazer todo o possível para lhes deixar um planeta limpo e um futuro digno desse nome", referiu, apontando o "ambicioso plano de ação climática", que deverá ser implementado "sem demora" e dando como exemplo as medidas ambientais incluídas no 'Neistart Lëtzebuerg'.

Para aqueles que estão a passar dificuldades devido ao impacto económico das medidas de combate à covid-19, o primeiro-ministro deixou a garantia de que não serão esquecidos, salientando o trajeto de recuperação económica que já começou a ser feito.  

"Em termos financeiros, o Luxemburgo está num bom caminho. O nosso mercado de trabalho recuperou bem e a nossa economia está a crescer novamente. Temos agora de assegurar que este crescimento beneficie também aqueles que mais precisam dele", defendeu.

 



Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas