Escolha as suas informações

"Humanidade, solidariedade, tolerância, respeito". A pandemia mostrou-nos o que realmente importa, diz Grão-Duque
Luxemburgo 2 min. 23.06.2021
Festa Nacional

"Humanidade, solidariedade, tolerância, respeito". A pandemia mostrou-nos o que realmente importa, diz Grão-Duque

Festa Nacional

"Humanidade, solidariedade, tolerância, respeito". A pandemia mostrou-nos o que realmente importa, diz Grão-Duque

Foto: SIP/Sophie Margue
Luxemburgo 2 min. 23.06.2021
Festa Nacional

"Humanidade, solidariedade, tolerância, respeito". A pandemia mostrou-nos o que realmente importa, diz Grão-Duque

Catarina OSÓRIO
Catarina OSÓRIO
Num discurso marcado pela pandemia o Grão-Duque Henri pediu um minuto de silêncio pelas vítimas da covid-19 no país e afirmou que a crise fez-nos olhar para algumas profissões com outros olhos.

As habituais comemorações da Festa Nacional tiveram lugar esta quarta-feira junto ao Monumento Nacional da Solidariedade (Kanounenhiwwel - Colina dos Canhões), no Plateau du Saint-Esprit, na capital.

Apesar de ter alterado o evento que junta habitualmente milhares de pessoas nas ruas do país, a pandemia foi o tema central dos discursos das comemorações oficiais do evento, incluindo do Grão-Duque.   

O chefe de Estado foi o último a falar aos presentes, num discurso dominado pela covid-19. Henri começou por demonstrar orgulho da atuação do país face à crise. "Como nação, temos demonstrado solidariedade, resiliência e paciência no interesse comum. Todos podemos estar orgulhosos disso", referiu.

Realçando o "empenho incansável" dos profissionais de saúde, em nome de toda a família grã-ducal, prestou condolências a todos aqueles que perderam familiares. "Estamos profundamente entristecidos com isto e os nossos pensamentos estão convosco neste momento doloroso", disse.

A pedido de Henri, todos os convidados presentes na cerimónia fizeram um minuto de silêncio pelas vítimas mortais da covid-19 no Grão-Ducado. São 818 pessoas de acordo com o balanço mais recente. E lembrou a promessa de Governo de homenagear as vítimas da covid-19 e os profissionais de saúde, que estava prevista para esta quarta-feira mas foi adiada para uma data a anunciar em breve.


Fotos. As comemorações da Festa Nacional
As habituais comemorações da Festa Nacional tiveram lugar esta quarta-feira, a partir das 11h, junto ao Monumento Nacional da Solidariedade, no Plateau du Saint-Esprit, na capital.

Apesar dos aspetos negativos, o Grão-Duque acrescentou que a crise criou uma oportunidade de reflexão pessoal e a tomar consciência do que realmente importa. "Aproveitemos esta oportunidade para colocar em perspetiva o que realmente importa: humanidade, solidariedade, tolerância, respeito. Estes são os valores em que devemos confiar para viver em paz no nosso país, na Europa e no mundo", disse. E referiu ainda a "solidariedade transfronteiriça" como outro aspeto positivo.

Vemos agora certas profissões com um outro olhar e percebemos que a nossa sociedade, especialmente em tempos de crise, não pode funcionar sem o seu empenho diário.

Entre as inúmeras mudanças que a covid-19 trouxe no país (teletrabalho, ensino à distância) o chefe de Estado considerou que é importante valorizar os que estiveram na linha da frente, profissões antes desvalorizadas, sem especificar no entanto quais.


Xavier Bettel defende "Luxemburgo forte" dentro de "Europa forte"
Entre o balanço da pandemia e o futuro, o primeiro-ministro lembrou as vítimas da covid-19, agradeceu aos trabalhadores da linha da frente e aos cidadãos pelo empenho no combate à crise sanitária.

"Vemos agora certas profissões com um outro olhar e percebemos que a nossa sociedade, especialmente em tempos de crise, não pode funcionar sem o seu empenho diário". E dedicou ainda uma palavra de "solidariedade" aos que perderam o emprego devido à crise sanitária.

Uma outra consequência da pandemia - a valorização dos espaços ao ar livre -  deve ser, de acordo com o chefe de Estado, uma oportunidade para um modo de vida mais sustentável. "Isto é mais urgente do que nunca. (...) Precisamos da natureza para viver", referiu.

No discurso o Grão-Duque agradeceu também aos cientistas e investigadores envolvidos na "Task-Force Covid-19" do país e apelou à "participação ativa no esforço coletivo [da vacinação]".

Por fim, numa mensagem de otimismo Henri espera que a pandemia não atrapalhe as comemorações redondas da Festa Nacional do próximo ano - 60 anos. "A minha grande esperança é que possamos celebrar novamente, todos juntos! Viva o Luxemburgo! Viva a Europa!", concluiu. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas