Escolha as suas informações

Família Reboredo está a realizar sonhos no Luxemburgo
Luxemburgo 5 min. 30.04.2022
Portugueses Felizes

Família Reboredo está a realizar sonhos no Luxemburgo

O casal João e Anabela Reboredo com os três filhos, Iuri, Iara e Lara, com as capas dos discos e livros que o pai tem editado no Luxemburgo.
Portugueses Felizes

Família Reboredo está a realizar sonhos no Luxemburgo

O casal João e Anabela Reboredo com os três filhos, Iuri, Iara e Lara, com as capas dos discos e livros que o pai tem editado no Luxemburgo.
Foto: António Pires
Luxemburgo 5 min. 30.04.2022
Portugueses Felizes

Família Reboredo está a realizar sonhos no Luxemburgo

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
A promoção da cultura portuguesa no Grão-Ducado, através da sua escola de música em Differdange e dos livros editados, é uma das várias missões de João no país.

Foi no Luxemburgo que João Miguel Reboredo, de 46 anos, conseguiu realizar o grande sonho da sua vida: ter uma escola de música para crianças e adultos. 

Na conhecida Reboredo’s Musical School, em Differdange, este professor primário com pós-graduação em música, de Alfândega da Fé, aproveita esta linguagem universal feita de sons e acordes para promover a música e cultura portuguesa aos seus alunos de várias nacionalidades. 

Esta tem sido uma das missões deste imigrante desde que chegou de Portugal há quase oito anos, através da música e da escrita, e é com contentamento que repara que a cultura portuguesa está a conquistar “cada vez mais os luxemburgueses e outras nacionalidades”, como realça ao Contacto num intervalo das suas aulas de música, na sua escola que acaba de celebrar o sétimo aniversário. Esta é a história de sucesso e de missões da família Reboredo, em mais uma reportagem sobre os "Portugueses Felizes" no Grão-Ducado.

“Os luxemburgueses têm cada vez mais curiosidade e fascínio pelo que é português, gostam da música, mas também frequentam os cafés e restaurantes portugueses, o que me deixa feliz”, conta este nortenho multifacetado, que é professor, escritor, músico, homem solidário e empenhado no associativismo. Agora está prestes a realizar “outro sonho”, o da política. 

Livros e discos que promovem Portugal

Com a sua guitarra, João Reboredo vai espalhando a música portuguesa com o seu “Projeto Uno” pelo país em “festas, romarias e bares e restaurantes” onde atua frequentemente. Editou vários CD para causas solidárias e também tem subido aos palcos em Portugal, onde sempre manteve forte ligação, sobretudo à sua terra natal. 

O casal João e Anabela, com os filhos, Iuri, Iara e Lara são uma família portuguesa que se diz "muito feliz" no Luxemburgo.
O casal João e Anabela, com os filhos, Iuri, Iara e Lara são uma família portuguesa que se diz "muito feliz" no Luxemburgo.
António Pires

A escrita é outra das paixões sendo o seu manual de guitarra “Da música à canção” e o livro infantil “Uma história por dia nem sabes o bem que te fazia”, os mais conhecidos. Obras que têm novas edições, o manual é agora bilingue, com partes em francês e o livro infantil, trilingue, juntando-se o francês e inglês ao português. Para cultivar o gosto pela cultura portuguesa aos alunos de outras nacionalidades”. 

O livro infantil foi “proposto para integrar o Plano Nacional de Leitura em Portugal, e no Luxemburgo foi “aprovado por todos os professores de português”, salienta. No seu mais recente livro, “uma biografia do empreendedor da diáspora, sobre a minha vida, as histórias estão apadrinhadas por mais de 200 amigos portugueses, portugueses, luxemburgueses, franceses, alemães e italianos”, conta o autor. 

“Desde que aqui estou praticamente lancei um novo livro ou disco por ano. Talvez seja o estrangeiro com mais material publicado no Luxemburgo”, diz a sorrir, realçando que as suas obras estão no mercado português. 

O "regresso a casa" de Anabela

Em Portugal, João conheceu Anabela, lusodescendente nascida no Grão-Ducado, e que aos oito anos se mudou com os pais para a região do Porto. Casaram-se e tiveram três filhos, Lara de 18 anos, Iuri de 12 anos, e Iara, de 6 anos, que já nasceu no Luxemburgo. 

Em agosto de 2014, o casal e os dois filhos, Lara e Iuri, mudaram-se para o Luxemburgo. O professor primário pediu uma licença sem vencimento e Anabela, educadora, deixou também o trabalho para uma nova experiência de vida no Grão-Ducado. 

“Viemos para cá pois aqui os salários são muito superiores e quisemos também proporcionar uma vida melhor aos nossos filhos”, vinca Anabela Reboredo, para quem o Luxemburgo “é um regresso a casa”, após quase 20 anos em Portugal. “Gosto de estar cá, pois temos mais conforto financeiro, que nos permite uma vida melhor e ter mais férias, por exemplo. Além de que agora é também mais fácil e acessível viajar para Portugal, com os preços das companhias aéreas”, diz a educadora. 


O sorriso contagiante de Débora Gonçalves, 29 anos, quando descreve a sua vida no Grão-Ducado.
Débora. "Sinto-me muito feliz com a minha vida no Luxemburgo"
Deixou Lisboa para fazer o mestrado em Belval e tão depressa não volta a Portugal. "Adoro tudo o que o Luxemburgo oferece", diz a portuguesa Débora Gonçalves. O segundo testemunho dos "Portugueses Felizes" no Grão-Ducado.

“É pena não termos o nosso mar e clima, é o único problema, mas sempre senti bem neste país, graças à hospitalidade enorme dos próprios luxemburgueses. Eles dão-nos o devido valor”, frisa o marido. 

Mesmo os receios iniciais pela integração dos filhos, a Lara, então com 12 anos, e o Iuri, com oito, não se confirmaram. “A Lara foi a melhor aluna da escola, a Alliance Française, no segundo ano e terceiro ano após vir para cá. E, em casa, sempre falámos unicamente português com os filhos”, realça Anabela. A filha mais velha prepara agora o regresso a Portugal, onde decidiu seguir o ensino superior, num curso de direito. “Ela quis estudar lá, continua a gostar mais de Portugal”, diz a mãe. 

A boa disposição da família Reboredo, fotografados na escola de música em Differdange.
A boa disposição da família Reboredo, fotografados na escola de música em Differdange.
António Pires

A solidariedade e a política

A pandemia, devido às restrições que afastaram durante os dois anos muitos alunos da escola de música, e um percalço com a construção de uma casa para a família, levaram João Reboredo a pensar em regressar a Portugal. Afinal ainda tem lugar como professor no sistema de ensino português. 

“Nessa fase falámos em voltar. Mas fomos ficando, o número de alunos dos alunos da escola está a crescer desde 2021 e o assunto da casa foi resolvido. Voltámos a página e vamos ficar”, sublinha. 

Saudades de Portugal “existem sempre”, confessa, mas João Reboredo viaja com frequência para o país natal, devido a convites e eventos ou presenças na televisão quer pelas suas obras, quer como promotor da cultura lusitana além-fronteiras. 

A solidariedade faz também parte do quotidiano deste português, organizando inúmeros eventos solidários pela escola de música e não só, e cujas verbas revertem a favor dos mais necessitados, sobretudo, em Portugal, “onde não existem tantos apoios como cá”. 


António Castanho, com a mulher Sónia e a filha Maria, de 19 anos, numa foto no seu restaurante em Esch.
A mesa do alentejano que dá felicidade ao Luxemburgo
O restaurante Tapas, de António Castanho, em Esch, é o cantinho alentejano mais falado do país. Com a sua história iniciamos a publicação de quatro reportagens diárias sobre Portugueses Felizes no Grão-Ducado.

Do mesmo modo os discos que edita “são para causas solidárias”. Recentemente foi convidado a fazer parte da lista de um partido para as eleições para a câmara municipal de Differdange, um desafio que o deixa “muito satisfeito”. “Somos muitos felizes aqui no Luxemburgo, graças a Deus, e com o projeto politico para o próximo ano, que espero levar a bom porto, como tenho levado todas as ideias pois era um sonho fazer parte do executivo camarário e não mudo uma virgula depois de ser eleito”.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Distinguida com o prémio José Afonso na sua cidade (Amadora) por causa do álbum “O Horizonte”, Teresa Salgueiro fala de alegrias e receios, de memórias e do presente, de vinte anos nos Madredeus e dos dez anos que já passaram após a sua saída, de Portugal e do mundo.
Teresa Salgueiro
Entrevista ao embaixador do Luxemburgo em Lisboa
Desde setembro do ano passado como embaixador do Luxemburgo em Lisboa, Jean-Jacques Welfring confessa que não se sente a viver no estrangeiro, tal a forma como foi bem recebido. Considerando privilegiadas as relações entre as autoridades, lembra as bem sucedidas visitas de Estado, destaca a coragem do povo e sublinha a importância da comunidade portuguesa, sem esquecer a cooperação e a forte presença cabo-verdiana.
Jean-Jacques Welfring é o embaixador do Luxemburgo em Lisboa deste setembro do ano passado.
No seu primeiro romance, Béatrice Peters imagina a revolta de um jovem português contra o sistema de ensino no Luxemburgo. “Fremde Heimat” (“Pátria Estranha”) é uma denúncia das dificuldades dos estrangeiros no ensino luxemburguês, que a antiga professora conhece bem. Para Béatrice Peters, que deu aulas no ensino primário no Luxemburgo, está na altura de mudar o sistema.
O romance conta muitos episódios reais passados com alunos portugueses, de quando Béatrice Peters dava aulas no ensino primário.