Escolha as suas informações

Exploração laboral em Vianden. ASTI acusa Inspeção do Trabalho
Luxemburgo 26.11.2019

Exploração laboral em Vianden. ASTI acusa Inspeção do Trabalho

Exploração laboral em Vianden. ASTI acusa Inspeção do Trabalho

Foto de arquivo: Shutterstock
Luxemburgo 26.11.2019

Exploração laboral em Vianden. ASTI acusa Inspeção do Trabalho

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
"A ITM não faz o seu trabalho", diz o porta-voz da ASTI, Sérgio Ferreira.

Depois de a Rádio Latina ter divulgado na semana passada uma reportagem sobre um caso de escravatura moderna que envolve trabalhadores portugueses e brasileiros recrutados por um grupo hoteleiro de Vianden, a Associação de Apoio ao Trabalhadores Emigrantes (ASTI) debateu o caso, esta segunda-feira, numa reunião interna.

Ouvido pela Rádio Latina, Sérgio Ferreira, porta-voz da ASTI, condena este tipo de práticas e aponta o dedo em primeiro lugar ao grupo hoteleiro, mas também à Inspeção de Trabalho e das Minas (ITM).

Tal como a Rádio Latina deu conta, através de uma investigação jornalística, a ITM e a polícia abriram uma investigação ao recrutamento de trabalhadores portugueses e brasileiros. Um cidadão brasileiro que estava a trabalhar em situação ilegal foi detido e ainda se encontra no centro de retenção do Findel à espera de repatriamento para Portugal e não para o Brasil, confirmou esta terça-feira à Rádio Latina o vice-presidente do Comité de Ligação das Associações de Estrangeiros (CLAE), António Valente, acrescentando que "falta conhecer ainda a data do retorno".


Trabalhadores recrutados em Portugal denunciam escravatura moderna em Vianden
A Rádio Latina iniciou, há cerca de um mês, uma investigação sobre trabalhadores recrutados em Portugal que se queixam de escravatura moderna num hotel e restaurantes da zona norte do país, mais concretamente, em Vianden e Ingeldorf.

Os trabalhadores queixam-se de horas excessivas de trabalho, falta de contratos e de segurança social, condições precárias de habitação no sótão do hotel ou salários em atraso.

Questionado sobre que medidas a ASTI poderá vir a tomar sobre este caso, Sérgio Ferreira diz que associação vai continuar a acompanhar o processo e contactar os órgãos de decisão executivo, legislativo e prático para que estes e outros casos deixem de existir.

Sérgio Ferreira aconselha os trabalhadores a informarem-se antes de emigrar, a desconfiar de certas ofertas de trabalho e a procurar aconselhamento junto de associações.

Sérgio Ferreira, da ASTI, volta a apelar à "emigração de olhos abertos", como forma de evitar casos de exploração..


Notícias relacionadas