Escolha as suas informações

Eurostat: Quase 9% dos jovens luxemburgueses não estudam nem trabalham
Luxemburgo 11.08.2016 Do nosso arquivo online

Eurostat: Quase 9% dos jovens luxemburgueses não estudam nem trabalham

A maior parte dos jovens entre os 15 e os 19 anos frequenta a escola

Eurostat: Quase 9% dos jovens luxemburgueses não estudam nem trabalham

A maior parte dos jovens entre os 15 e os 19 anos frequenta a escola
Foto: Lex Kleren
Luxemburgo 11.08.2016 Do nosso arquivo online

Eurostat: Quase 9% dos jovens luxemburgueses não estudam nem trabalham

Quase 9% dos jovens luxemburgueses, com idades entre os 20 e os 24 anos, não estudavam nem trabalhavam em 2015.

Quase 9% dos jovens luxemburgueses, com idades entre os 20 e os 24 anos, não estudavam nem trabalhavam em 2015.

De acordo com um estudo do Eurostat sobre “Educação, emprego, ambos ou nenhum? O que estão os jovens a fazer na UE?”, 8,8% não tinham qualquer tipo de ocupação. Esta é a segunda taxa mais baixa da União Europeia (UE): melhor só a Holanda com uma taxa de 7,2%.

O estudo do gabinete de estatística da UE analisa os jovens entre os 20 e os 24 anos. O Eurostat explica que há quase 90 milhões de pessoas entre os 15 e os 29 anos na UE, o que equivale a 17% da população. No entanto, este intervalo de idades contém muitas situações diferentes: enquanto entre os 15 e os 19 anos, a maioria dos jovens está ainda a estudar; entre os 25 e os 29 a realidade é outra e implica já a presença no mercado de trabalho.

Na faixa etária entre os 20 e os 24, costumam estar distribuídos entre os estudos e o emprego. No entanto, há quem não faça uma coisa nem outra como é o caso de 8,8% dos jovens luxemburgueses.

A taxa verificada em 2015 representa, no entanto, uma melhoria face aos 9,4% registados em 2006.

Itália e Grécia são os países com as maiores taxas: de 31,1% e de 26,1%, respectivamente. Em Porutgal, é de 17,5%.


Notícias relacionadas

Taxa de abandono escolar aumenta e de licenciados diminui
O abandono escolar no Luxemburgo aumentou no último ano, enquanto o número de pessoas que conseguiram obter um diploma diminuiu. O Grão-Ducado é dos países da União Europeia com melhores resultados quanto à taxa de abandono escolar e de licenciados, segundo um relatório do Eurostat publicado na passada quarta-feira.