Escolha as suas informações

Estudo: Pessoas no Luxemburgo sentem-se mais sós do que restantes europeus
Luxemburgo 02.07.2017

Estudo: Pessoas no Luxemburgo sentem-se mais sós do que restantes europeus

Estudo: Pessoas no Luxemburgo sentem-se mais sós do que restantes europeus

Foto: Shutterstock
Luxemburgo 02.07.2017

Estudo: Pessoas no Luxemburgo sentem-se mais sós do que restantes europeus

O número de pessoas que vivem no Luxemburgo que sentem que não têm ninguém para pedir ajuda é duas vezes superior ao da média da União Europeia, segundo o Eurostat.

O número de pessoas que vivem no Luxemburgo que sentem que não têm ninguém para pedir ajuda é duas vezes superior ao da média da União Europeia, segundo uma pesquisa realizada pelo Eurostat.

O estudo aponta que 13 por cento das pessoas no Grão-Ducado consideram não ter ninguém para pedir ajuda em caso de necessidade - a taxa mais elevada em todos os países da UE, a par com a Itália. 

Screenshot: Eurostat

A média da UE é de seis por cento. A pesquisa indica que os habitantes europeus que se sentem mais apoiados vivem em países como a República Checa, Finlândia, Eslováquia e Suécia, onde apenas dois por cento dos entrevistados disseram sentir uma sensação de solidão quando precisam de ajuda. 

Os participantes da pesquisa, realizada em 2015, também foram questionados sobre se sentiam que não tinham ninguém com quem pudessem discutir assuntos pessoais. Neste parâmetro, o Luxemburgo obteve uma classificação abaixo da média da UE de 6,1 por cento.

Os números mais elevados foram registados em França e Itália, com 12 por cento, e os mais baixos em Chipre, Espanha, Eslováquia, República Checa e Hungria, com dois por cento. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Luxemburgo: Tempo de vida ativa é dos menores da UE
No Luxemburgo, o período de vida ativa é dos mais curtos da União Europeia. De acordo com os dados do Eurostat, as pessoas têm uma vida ativa de 33 anos no Grão-Ducado, um valor acima dos 31 anos verificados em 2006.