Escolha as suas informações

Estudo: Jovens são os mais afectados por assédio moral no trabalho
Luxemburgo 17.03.2016

Estudo: Jovens são os mais afectados por assédio moral no trabalho

Estudo: Jovens são os mais afectados por assédio moral no trabalho

Foto: Shutterstock
Luxemburgo 17.03.2016

Estudo: Jovens são os mais afectados por assédio moral no trabalho

Os jovens luxemburgueses e franceses são os que maior risco correm de serem assediados moralmente no local de trabalho, revela um estudo da Câmara dos Assalariados do Luxemburgo.

Os jovens luxemburgueses e franceses são os que maior risco correm de serem assediados moralmente no local de trabalho, revela um estudo da Câmara dos Assalariados do Luxemburgo (Chambre des Salariés).

Um terço dos trabalhadores mais afectados por assédio moral no local de trabalho ('mobbing') no Luxemburgo têm entre 16 e 24 (30,1%). Em contrapartida, so 8,7% dos trabalhadores com idade superior a 55 anos são afectados pelo fenómeno.

Este tipo de assédio é menos comum nas pequenas empresas e junto dos funcionários que trabalhem para uma empresa há 20 ou mais anos(10,8%), ainda segundo este estudo. O assédio moral no trabalho é mais frequente em empresas que estejam a atravessar uma fase de despedimentos.

Os trabalhadores não qualificados e os gerentes são os que menos sofrem este tipo de assédio, acrescenta ainda o estudo. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Os trabalhadores no Luxemburgo estão cada vez mais velhos
O número de trabalhadores jovens está a diminuir no Luxemburgo. A idade média dos trabalhadores no Grão-Ducado é agora de 41 anos. A conclusão é de um estudo feito pelo Instituto de Investigação Sócio-Economica do Luxemburgo (Liser, na sigla em inglês) que fez a fotografia sobre a situação dos trabalhadores assalariados no país, entre 1994 e 2018. O retrato é o de uma população ativa envelhecida.
O caso de José Vaz do Rio: Um país dividido
O caso de José Vaz do Rio, o português que não quis ser burgomestre, deu que falar nos jornais luxemburgueses. Num editorial publicado no diário Luxemburger Wort, o jornalista Marc Thill defende que "há fossos e barreiras" para os imigrantes no Luxemburgo e diz que o "défice democrático" não se limita à política. Para o jornalista luxemburguês, as barreiras começam na educação. O Contacto publica o editorial traduzido em português.