Escolha as suas informações

Estudo da Universidade do Luxemburgo: Apenas 11% dos alunos portugueses chegam ao ensino clássico
Luxemburgo 24.04.2015

Estudo da Universidade do Luxemburgo: Apenas 11% dos alunos portugueses chegam ao ensino clássico

Claude Meisch

Estudo da Universidade do Luxemburgo: Apenas 11% dos alunos portugueses chegam ao ensino clássico

Claude Meisch
Foto: Anouk Antony
Luxemburgo 24.04.2015

Estudo da Universidade do Luxemburgo: Apenas 11% dos alunos portugueses chegam ao ensino clássico

Os números são claros: apenas 11% dos alunos portugueses chegam ao ensino clássico, diz o estudo "Bildungsbericht 2015", apresentado na quinta-feira pelo ministro da Educação, Claude Meisch. O estudo levado a cabo pela Universidade do Luxemburgo aponta ainda a diversificação linguística nas escolas do Grão-Ducado como uma das questões que continua a preocupar o Governo.

Os números são claros: apenas 11% dos alunos portugueses chegam ao ensino clássico, diz o estudo "Bildungsbericht 2015", apresentado na quarta-feira pelo ministro da Educação, Claude Meisch.

Encomendado pelo Governo e levado a cabo pela Universidade do Luxemburgo, o estudo mostra que metade dos alunos que entram no clássico são luxemburgueses (47,7%), contra apenas 11,4% de portugueses e 33,6% de alunos de outras nacionalidades. No técnico, a inscrição dos alunos portugueses é de 67% contra 43,8% de luxemburgueses.

Quanto à taxa de reprovação, 61,6% dos alunos já reprovaram no técnico e 18,1% no clássico, apontam os autores do estudo, que tem como objectivo analisar a qualidade da educação nas escolas públicas no Grão-Ducado.

Os resultados vêm confirmar os estudos anteriores sobre o sistema de ensino no Luxemburgo: o ambiente socioeconómico tem influência directa no fracasso escolar dos alunos. Os jovens saídos da imigração e filhos de pais com baixos salários são os que têm maior taxa de reprovação e os que têm mais dificuldades em entrar no ensino clássico.

O estudo aponta ainda uma série de desafios no sistema escolar luxemburguês. A diversificação linguística nas escolas do Grão-Ducado é uma das questões que continua a preocupar o Governo, juntamente com um maior controlo da qualidade da educação pré-escolar "com vista a melhorar a aprendizagem precoce de línguas".

Ainda segundo o relatório apresentado por Claude Meisch, muitos estudantes têm um fraco desempenho geral porque não conseguem dominar fluentemente o idioma desejado na escola.

O documento, apoiado no programa do Governo, propõe ainda procedimentos mais transparentes no ingresso dos alunos no "técnico" ou no "clássico", uma cooperação mais estreita entre as escolas e os pais, e um maior esforço para reduzir as taxas de reprovações dos alunos.



Notícias relacionadas

EDITORIAL: A quinta das crianças
Por José Luís Correia - A quinta-feira, 15 de Setembro, marca o regresso às aulas, mesmo se muitas escolas já começam a funcionar na segunda-feira e outras ainda antes.
O ano lectivo 2016-2017 arranca no dia 15 de Setembro
Estudo: Preconceitos dos professores podem prejudicar alunos portugueses no Luxemburgo
Chamar-se Carlos ou Roger pode influenciar o percurso no ensino e o sucesso escolar dos alunos. Segundo um estudo da Universidade do Luxemburgo, os preconceitos dos professores em relação à nacionalidade dos alunos podem levá-los a tomar decisões erradas, prejudicando os portugueses. O estudo indica que os docentes cometem mais erros de avaliação com alunos portugueses do que com os estudantes luxemburgueses, quando decidem quem vai para o ensino secundário técnico ou para o clássico.
19.05.08 cours de portuguais, langue portugaise, contacto,  Schule, Schueler, bildung, photo: Marc Wilwert