Escolha as suas informações

Estudantes do Luxemburgo proibidos de entrar nas universidades na Alemanha por serem de 'país de risco'
Luxemburgo 3 min. 19.08.2020 Do nosso arquivo online

Estudantes do Luxemburgo proibidos de entrar nas universidades na Alemanha por serem de 'país de risco'

Estudantes do Luxemburgo proibidos de entrar nas universidades na Alemanha por serem de 'país de risco'

Luxemburgo 3 min. 19.08.2020 Do nosso arquivo online

Estudantes do Luxemburgo proibidos de entrar nas universidades na Alemanha por serem de 'país de risco'

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Residentes do Grão-Ducado estão a ter muitos problemas no país vizinho devido à classificação de risco de covid-19 pelos alemães, como a recusa de tratamentos médicos, diz ao Contacto o ministério de Asselborn.

O Luxemburgo continua a ser classificado como um “país de risco” de contaminação da covid-19 para a Alemanha, apesar de não haver justificação para tal, como defende o ministro dos Negócios Estrangeiros Jean Asselborn e a própria ministra- presidente da Renânia-Palatinado já ter pedido para retirar o Grão-Ducado desta ‘lista negra’.

Por causa desta classificação, os residentes do Luxemburgo estão a ter muitos problemas na Alemanha, confirma ao Contacto um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, entidade que já teve de intervir várias vezes junto das autoridades germânicas para resolver as situações.

"Muitas e variadas consequências"

“As consequências para os cidadãos têm sido muitas e variadas e o Ministério dos Negócios Estrangeiros e dos Assuntos Europeus teve de intervir, quer diretamente, quer através da nossa Embaixada na Alemanha ou dos nossos cônsules honorários, numa multiplicidade de casos, envolvendo principalmente estudantes que foram impedidos de entrar na sua universidade ou pacientes aos quais foi recusado tratamento”, revela ao Contacto um porta-voz do Ministério de Jean Asselborn.

Contudo, este porta-voz está otimista e sublinha que “tendo em conta os últimos números epidemiológicos, a retirada [do Luxemburgo] da lista alemã de países de risco deverá acontecer muito em breve”.


Covid-19. Porque a Alemanha mantém o Luxemburgo como 'país de risco'?
Saiba a razão pela qual o vizinho germânico continua a classificar o Grão-Ducado como perigoso na contaminação do vírus, apesar dos pedidos do ministro luxemburguês.

Os esforços do ministro Asselborn

No final da semana passada, o Ministro Jean Asselborn escreveu uma carta ao seu homólogo alemão Heiko Mass pedindo para retirar o Luxemburgo da lista de países de risco por não haver justificação para tal.

Na semana de 3 a 9 de agosto, o Luxemburgo registou 47,44 casos por cada 100 mil habitantes, um número inferior ao limite de 50 casos por 100 mil habitantes, frisou o chefe da diplomacia portuguesa.

Desde 9 de agosto que a situação continua a melhorar, ainda esta terça-feira o país registou um número inferior à meia centena de novos casos de infeção, limite imposto pelas autoridades alemãs como um dos critérios para um país ser classificado de risco.

Critérios alemães

Um país ou zona que registe um número superior a 50 casos diários por 100 mil habitante, durante os últimos sete dias, passa a integrar a “lista negra” alemã.  E tal não acontece no Luxemburgo desde 9 de agosto.

Numa segunda fase, “são utilizados critérios qualitativos para determinar se os estados/regiões que nominalmente ficam abaixo do valor limite acima mencionado correm, no entanto, um risco acrescido de infeção”, como consta na definição de ‘país de risco’ publicada no site do Instituto alemão Robert koch. Ora para o chefe da diplomacia Luxemburgo tal situação não se verifica no País.


Alemanha. Renânia-Palatinado quer Luxemburgo fora da 'zona de risco' o "mais rápido possível"
A ministra-presidente da Renânia-Palatinado, Malu Dreyer, não vê nenhuma razão para manter o Grão-Ducado na 'zona de risco'. O governo federal alemão deve "reagir rapidamente", disse.

O apoio da Renânia-Palatinado

Também a ministra-presidente da Renânia-Palatinado, Malu Dreyer pediu ao Governo federal alemão que "retire o mais rápido possível a classificação de Luxemburgo como zona de risco", na passada segunda-feira, dia 17.

"É muito gratificante notar que, de acordo com as últimas estatísticas epidemiológicas, os números da infeção no Luxemburgo caíram drasticamente, confirmando a tendência das últimas semanas", afirmou Dreyer à imprensa.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros congratula-se com esta posição oficial de Malu Dreyer. “Pudemos sempre contar com a compreensão do estado da Renânia-Palatinado durante toda esta crise da covid-19”, relembra o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Luxemburgo.


Covid-19. Asselborn quer que Alemanha retire o Luxemburgo da lista de países de risco
O ministro dos Negócios Estrangeiros enviou uma carta ao seu homólogo alemão, dizendo que o Grão-Ducado está abaixo dos números que definem os países de risco.

A ministra-presidente recordou também que a região está "particularmente ligada ao Luxemburgo. Só para trabalhar, cerca de 40 mil pessoas cruzam a fronteira todos os dias".

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas