Escolha as suas informações

Este sábado : Dia Internacional da Mulher vai ter marcha nocturna
Pela primeira vez, o Luxemburgo vai receber uma marcha nocturna pela mulher

Este sábado : Dia Internacional da Mulher vai ter marcha nocturna

Foto: Jallay Guy
Pela primeira vez, o Luxemburgo vai receber uma marcha nocturna pela mulher
Luxemburgo 2 min. 05.03.2015

Este sábado : Dia Internacional da Mulher vai ter marcha nocturna

A plataforma de acção “Dia Internacional das Mulheres” organiza no sábado, pela primeira vez, uma marcha nocturna na cidade do Luxemburgo. A marcha “Dia e noite – reclama os teus direitos” vai marcar a abertura das actividades do Dia Internacional da Mulher, que se assinala a 8 de Março.

A plataforma de acção “Dia Internacional das Mulheres” organiza no sábado, pela primeira vez, uma marcha nocturna na cidade do Luxemburgo. A marcha “Dia e noite – reclama os teus direitos” vai marcar a abertura das actividades do Dia Internacional da Mulher, que se assinala a 8 de Março.

A organização convida as participantes (apenas mulheres) a levarem uma lanterna, caminhando depois lado a lado como forma de apoio às vítimas de violência no Luxemburgo e em todo o mundo.

“Exigimos o direito de andar na rua, de dia ou de noite, sem sermos insultadas e sem termos de ser acompanhadas por um homem. Queremos ser respeitadas como indivíduos e poder andar na rua tal como somos”, diz a plataforma em comunicado.

A marcha nocturna começa às 22h, na rue de la Reine, no Knuedler, no centro da cidade do Luxemburgo. A marcha vai passar depois por várias artérias da capital até chegar à abadia Neimënster, às 23h30.

Os homens solidários com a causa são convidados a juntarem-se à marcha apenas à chegada, na abadia Neimënster.

No dia 8, o programa continua com o domingo de festa das mulheres, também na abadia. Vai haver “programa cultural e feminista”, com exposições, concertos, dança, teatro, informações, ateliers de auto-defesa e canto, a partir das 11h.

A data foi instituída em 1975 pela Organização das Nações Unidas.

Mais informações na internet (www.fraendag.lu ou www.neimenster.lu). As actividades do Dia da Mulher organizadas pela comunidade lusófona podem ser consultadas nas nossas páginas de “Vida Associativa”.

MULHERES RECEBEM PENSÕES 44% MAIS BAIXAS QUE OS HOMENS

O Luxemburgo é o segundo país da OCDE com maior desigualdade entre as pensões de reforma de homens e mulheres. As mulheres recebem em média menos 44,2% de pensão que os homens, um valor bem acima da média dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), que ronda os 27,9%.

Segundo dados divulgados na segunda-feira pela OCDE, a Alemanha é o país com maiores desigualdades entre as pensões de homens e mulheres (uma diferença de 44,8%), seguida pelo Luxemburgo (44,2%) e Holanda (41,4%).

Seguem-se o Reino Unido (39,6%), Áustria (38,6%), França (37%), EUA (34,9%), Irlanda (34,8%), Suíça (34,2% ), Espanha (33,3%) e Itália (31,8%).

No outro extremo, a maior proximidade de rendimentos das pensões estão na Estónia (5,2%), Eslováquia (7,2%), Dinamarca (7,6%), República Checa (13,7%), Islândia (15,6%), Hungria (15,7%) e Noruega (23,1%).

A OCDE sublinha que as mulheres com mais de 65 anos são susceptíveis de terem trabalhado a tempo parcial e de terem tido empregos com salários mais baixos que os homens durante a vida activa, o que penaliza as mulheres na altura do cálculo da reforma