Escolha as suas informações

Esta tarde, na Câmara dos Deputados : Portuguesa com doença de Lyme ouvida hoje no Parlamento
Tânia Silva quer melhor acompanhamento dos doentes

Esta tarde, na Câmara dos Deputados : Portuguesa com doença de Lyme ouvida hoje no Parlamento

Foto: Chris Karaba
Tânia Silva quer melhor acompanhamento dos doentes
Luxemburgo 2 min. 03.02.2016

Esta tarde, na Câmara dos Deputados : Portuguesa com doença de Lyme ouvida hoje no Parlamento

Lançada pela portuguesa Tânia Silva, a petição que reclama mais apoios para as pessoas com doença de Lyme vai ser discutida em debate público na Câmara dos Deputados, durante a tarde desta quarta-feira. Tânia Silva vai estar no Parlamento luxemburguês para ser ouvida pelos deputados.

Tânia Silva quer melhor acompanhamento dos doentes ⋌Foto: Chris Karaba

Lançada pela portuguesa Tânia Silva, a petição que reclama mais apoios para as pessoas com doença de Lyme vai ser discutida em debate público na Câmara dos Deputados, durante a tarde desta quarta-feira. Tânia Silva vai estar no Parlamento luxemburguês para ser ouvida pelos deputados.

A portuguesa de 23 anos, que é portadora da doença de Lyme, transmitida pela carraça, conseguiu recolher 7.800 assinaturas para a petição que lançou em Outubro, quando bastavam 4.500 para esta ser discutida no Parlamento luxemburguês.

Tânia Silva preparou a sua intervenção com uma equipa que inclui médicos e juristas.

“Espero ter a meu lado dois ou três médicos, um advogado e um professor de Paris. Não vou poder trazer médicos luxemburgueses, porque eles não se querem expor demasiado, mas a minha prioridade é reunir uma equipa forte para me acompanhar nesse dia”, disse Tânia Silva ao Wort.

“Vou expor o meu caso e vou explicar a situação no Luxemburgo. Não vai ser uma intervenção de acusação, mas de propostas, porque existem soluções”,defendeu.

Entre as propostas que Tânia Silva vai apresentar estão a criação de um laboratório luxemburguês especializado na doença e um plano de prevenção, além de um melhor acompanhamento aos doentes, tal como já acontece na Alemanha.

Diagnosticada no início de 2015, Tânia Silva gasta mais de mil euros por mês em tratamentos, e nem todas as despesas são reembolsadas pela Caisse Nationale de Santé.

A doença de Lyme é provocada por uma bactéria transmitida pela picada de uma carraça infectada. Os sintomas incluem cansaço e dores corporais. Alguns doentes podem passar para a fase crónica, com sintomas duradouros que podem deixar as pessoas debilitadas, física e mentalmente.

Depois de no final do ano passado ter conseguido mobilizar a opinião pública para uma doença de que muitos nunca tinham ouvido falar, Tânia Silva vai poder defender a sua causa na Câmara dos Deputados, frente aos membros da Comissão das Petições, Saúde e Segurança Social.

Por confirmar está ainda a presença dos ministros da Saúde e da Segurança Social, Lydia Mutsch e Romain Schneider, que estão convidados para o debate.

A petição de Tânia Silva é a oitava a ser discutida no Parlamento desde que o mecanismo das petições online entrou em vigor, em 2014. O debate público vai ter lugar às 14h e vai ser transmitido na Chamber TV.


Notícias relacionadas

Doença de Lyme tratada com pinças no Luxemburgo
A doença de Lyme é provocada por uma bactéria transmitida pela picada de uma carraça infectada. Os sintomas mais comuns são o cansaço e as dores corporais. Com o tempo, alguns doentes infectados podem passar para a fase crónica, com sintomas duradouros que podem deixar as pessoas debilitadas física e mentalmente. Saiba mais sobre esta doença.
Doença transmitida pela carraça: Portuguesa quer mais comparticipações para tratamento da doença de Lyme
Uma portuguesa apresentou uma petição no Parlamento luxemburguês para reclamar que os tratamentos da doença de Lyme tenham mais comparticipação do Estado, uma iniciativa que já recolheu 567 assinaturas desde que foi admitida no site da Câmara dos Deputados, na quinta-feira. A autora da petição, a portuguesa Tânia Silva, encontra-se na fase crónica da doença transmitida pela carraça e diz que não consegue suportar os cerca de mil euros mensais dos tratamentos.
Tania Silva