Escolha as suas informações

Juncker e Bettel expressam solidariedade com o povo espanhol
Luxemburgo 2 min. 18.08.2017 Do nosso arquivo online
Espanha/Ataques

Juncker e Bettel expressam solidariedade com o povo espanhol

A palavra de ordem na Europa é de "união"
Espanha/Ataques

Juncker e Bettel expressam solidariedade com o povo espanhol

A palavra de ordem na Europa é de "união"
Foto: AFP
Luxemburgo 2 min. 18.08.2017 Do nosso arquivo online
Espanha/Ataques

Juncker e Bettel expressam solidariedade com o povo espanhol

Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, e Xavier Bettel, primeiro-ministro do Luxemburgo, expressaram solidariedade com as vítimas dos ataques em Barcelona, na sua conta do Twitter.

Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, e Xavier Bettel, primeiro-ministro do Luxemburgo, expressaram solidariedade com as vítimas dos ataques em Barcelona, na sua conta do Twitter. 

O antigo primeiro-ministro do Luxemburgo, Jean-Claude Juncker, enviou uma carta de condolências a Mariano Rajoy e escreveu na sua conta "uma tristeza enorme pelo terrível ataque de Barcelona", apelando ainda à união entre a população e da própria Comissão Europeia para com Espanha.

Também Xavier Bettel expressou publicamente as condolências. "Estaremos sempre unidos na luta contra o terrorismo", acrescentou o primeiro-ministro luxemburguês.

Um atentado terrorista em Barcelona, na tarde de quinta-feira, provocou 14 mortos e cerca de uma centena de feridos, após uma furgoneta ter galgado um passeio e atropelado dezenas de pessoas, nas Ramblas, no centro da cidade.

O ataque ocorreu pela 17h e foi já reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico, através dos seus canais oficiais de comunicação.

A polícia catalã já deteve três suspeitos de envolvimento no ataque e um outro suposto autor do atentado foi encontrado morto em Sant Just Desvern, em Baix Llobregat, a 12 quilómetros de Barcelona, depois de uma troca de tiros com a polícia catalã, após ter forçado a passagem de um controlo policial e ter atropelado uma polícia.

O motorista da furgoneta utilizada no ataque terrorista nas Ramblas ainda estará em fuga.

Já esta madrugada, a polícia catalã abateu cinco alegados terroristas em Cambrils, a 117 quilómetros de Barcelona, depois de terem atropelado várias pessoas no centro da estância balnear no sudoeste da Catalunha. Pelo menos sete pessoas ficaram feridas, indicou a polícia catalã, denominada Mossos d’Esquadra.

Quatro dos atacantes tinham explosivos ligados ao corpo e a polícia está a investigar uma possível ligação entre os dois ataques.

Ao final de quinta-feira, o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luis Carneiro, referiu não ter conhecimento da existência de portugueses entre as vítimas do atentado de Barcelona.

Espanha encontra-se em nível quatro de alerta antiterrorista, numa escala de cinco, por risco elevado de atentado desde junho de 2015, quando o ministério do Interior adotou essa medida após os atentados quase em simultâneo em França, na Tunísia, no Kuwait e na Somália.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O Presidente da República viajou no sábado à noite para Barcelona para participar hoje numa missa pela paz, na basílica da Sagrada Família, onde irão também estar presentes os primeiros-ministros português e espanhol e os reis de Espanha.
TOPSHOT - People stand next to flowers, candles, a poster reading 'Pray for Barcelona' and other items set up on the Las Ramblas boulevard in Barcelona as they pay tribute to the victims of the Barcelona attack, a day after a van ploughed into the crowd, killing 13 persons and injuring over 100 on August 18, 2017.
Police hunted for the driver who rammed a van into pedestrians on an avenue crowded with tourists in Barcelona, leaving 13 people dead and  more than 100 injured, just hours before a second assault in a resort along the coast. / AFP PHOTO / PASCAL GUYOT
Pelo menos cinco pessoas morreram no atentado de hoje em frente ao parlamento britânico e 40 ficaram feridas, disse o chefe da unidade antiterrorista da polícia de Londres, Mark Rowley. Segundo Mark Rowley, três civis morreram, bem como um polícia e o atacante, que foi abatido pelas forças de segurança.