Escolha as suas informações

Escolas. Máscaras obrigatórias nas aulas a partir dos seis anos
Luxemburgo 2 min. 12.02.2021

Escolas. Máscaras obrigatórias nas aulas a partir dos seis anos

Escolas. Máscaras obrigatórias nas aulas a partir dos seis anos

Foto: Shutterstock
Luxemburgo 2 min. 12.02.2021

Escolas. Máscaras obrigatórias nas aulas a partir dos seis anos

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Os testes rápidos de rastreio vão ser adotados nas escolas e os alunos testados mais vezes. Para tentar diminuir os contágios e os estabelecimentos poderem continuar abertos.

As escolas vão reabrir mas com regras mais apertadas para contrariar os contágios que estão a aumentar, sobretudo pela variante britânica, diz o ministro da Educação, Claude Meisch, na conferência de imprensa desta manhã, em que anunciou a reabertura dos estabelecimentos escolares.

Há que combater a propagação do vírus nas escolas que está a circular mais e já origina fontes de contágios nos estabelecimentos escolares, alerta o ministro Claude Meisch. "As cadeias de transmissão estão mais rápidas por causa da variante britânica, por isso, as medidas serão reforçadas".


Ministro da Educação. Reabrir escolas para diminuir os pensamentos suicidas nos alunos
As escolas vão reabrir para todos os alunos a 22 de fevereiro, após as férias. As consultas de psiquiatria aumentaram muito entre os mais novos e a escola é vital para o seu bem-estar.

Uma das medidas novas é a obrigação do uso da máscara desde os seis anos de idade, no fundamental, e nas maisons relais. Todos os alunos têm agora de usar máscara mesmo durante as aulas, anunciou o governante. 

Outra das medidas é "testar, testar, testar", diz o ministro, declarando que a realização dos testes de rastreio nas escolas será reforçada. Mais equipas de testagem irão percorrer as escolas e, a partir de março, serão realizados nas escolas mais testes rápidos de despistagem do vírus da covid-19. 

"Os alunos têm de ser testados mais frequentemente". Deste modo, "podemos reagir mais rapidamente nos casos em que os resultados são positivos”, frisou o ministro. No secundário, para o 7º e o 1º, as aulas serão presenciais em permanência para estes alunos estarem bem preparados para os exames - os mais pequenos para entrar no secundários e os mais velhos para seguir para a universidade. 

Por outro lado, os 6º e os 5º anos continuarão em sistema alternado de aulas presenciais e aulas em casa com ensino à distância. Claude Meisch está consciente de que as infeções vão continuar a aumentar nos próximos tempos. 

"Será uma questão de tempo até a variante britânica passar a dominar as infeções", perspetiva o ministro recordando que esta variante é muito mais contagiosa. Mas que "as escolas irão estar abertas o máximo que for possível".

 Já as cantinas e as maisons relais poderão voltar a fechar se assim se justificar. No entanto, Claude Meisch reconhece que apesar de reabrir de novo as escolas "não se pode excluir que possam voltar a fechar mais tarde". Tudo depende da situação pandémica no país.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas