Escolha as suas informações

Empresa de construção civil: Falência da Heirens deixa 35 trabalhadores no desemprego

Empresa de construção civil: Falência da Heirens deixa 35 trabalhadores no desemprego

Foto: Anouk Antony
Luxemburgo 14.04.2015

Empresa de construção civil: Falência da Heirens deixa 35 trabalhadores no desemprego

Mais uma empresa de construção civil apresentou um pedido de insolvência junto do Tribunal de Comércio. São mais 27 portugueses que vão ficar sem trabalho.

Mais uma empresa de construção civil apresentou um pedido de insolvência junto do Tribunal de Comércio. Os sindicatos ficaram a saber na segunda-feira.

A construtora Heirens Sàrl, sediada em Gilsdorf, é a quinta empresa a entrar em processo de insolvência nos últimos meses no Luxemburgo.

Dos 35 trabalhadores da Heirens que vão para o desemprego, 27 são de origem portuguesa. “Esta é a época das falências no sector e, no fundo, os únicos afectados são os portugueses. A juntar-se às últimas falências [E-Bat Construction, Moselle Construction, NJ Travaux e PMC Construction], cerca de 80 portugueses perderam o seu trabalho desde o início do ano”, disse ao CONTACTO o representante do sector da construção do sindicato OGBL, Hernâni Gomes.

Na base deste pedido de insolvência estariam os problemas com os fornecedores. “Da parte dos trabalhadores têm tudo em dia e não há salários em atraso. De há uns meses para cá começaram, sim, a ter problemas com o levantamento dos materiais junto dos fornecedores. O problema poderá estar aí”, disse ao CONTACTO outra representante do sector, Liliana Bento, da central sindical LCGB.

O pedido de insolvência terá dado entrada no Tribunal de Dieckirch e espera-se que a falência da empresa familiar criada em 1962 seja publicada já esta quarta-feira.

“Tive a informação na segunda-feira que o patrão ia entregar o pedido de insolvência e talvez esta quarta-feira esteja publicada no site Barreau.lu”, disse Hernâni Gomes.

Em 2012, o sector da construção empregava 14 mil trabalhadores no Luxemburgo, sendo 80% de origem portuguesa. Segundo a OGBL e o LCGB, a percentagem mantém-se.


Notícias relacionadas