Escolha as suas informações

Em Lisboa: Mars Di Bartolomeo diz que está tudo em aberto no debate sobre voto dos estrangeiros
Luxemburgo 3 min. 06.02.2015 Do nosso arquivo online

Em Lisboa: Mars Di Bartolomeo diz que está tudo em aberto no debate sobre voto dos estrangeiros

Em Lisboa: Mars Di Bartolomeo diz que está tudo em aberto no debate sobre voto dos estrangeiros

Foto: Luís Guita
Luxemburgo 3 min. 06.02.2015 Do nosso arquivo online

Em Lisboa: Mars Di Bartolomeo diz que está tudo em aberto no debate sobre voto dos estrangeiros

O presidente da Câmara dos Deputados, Mars Di Bartolomeo, disse hoje em  Lisboa que "o debate no Luxemburgo [sobre o direito de voto dos estrangeiros] ainda só agora começou", após os resultados da sondagem Poltimonitor sobre o referendo, divulgados esta sexta-feira.

O presidente da Câmara dos Deputados, Mars Di Bartolomeo, disse hoje em Lisboa que "o debate no Luxemburgo [sobre o direito de voto dos estrangeiros] ainda só agora começou", após os resultados da sondagem Poltimonitor sobre o referendo, divulgados esta sexta-feira.

Recordando que o projecto-lei com a formulação das questões que vão ser submetidas a referendo a 7 de Junho só vai ser votado na Câmara dos Deputados "na última semana de Fevereiro", o antigo ministro socialista recusou comentar os resultados da sondagem, "para não prejudicar a discussão", mas sublinhou que há consenso entre os partidos sobre a importância de aumentar a participação política dos estrangeiros.

"Quer se esteja de um lado ou de outro, penso que há um acordo geral sobre o princípio de que devemos melhorar a participação política dos estrangeiros. Há diferenças sobre se devemos dar um passo ou dois [nesse sentido], mas sobre o facto de que temos de melhorar a participação política de toda a população, não há discussão", disse Mars Di Bartolomeo ao CONTACTO, à margem da visita de dois dias que termina hoje em Lisboa, e que incluiu um encontro com a sua homóloga portuguesa, Assunção Esteves.

"Esta sondagem representa apenas uma fotografia do momento, e o debate ainda só agora começou", acrescentou o presidente da Câmara dos Deputados do Grão-Ducado.

De acordo com a sondagem Politmonitor divulgada hoje, 48% dos luxemburgueses são a favor da participação dos estrangeiros nas eleições para a Câmara dos Deputados, com 44% contra e 8% de indecisos.

O referendo sobre o direito de voto dos estrangeiros nas eleições legislativas é uma promessa do actual Governo luxemburguês, que integra o Partido Democrata (DP) do primeiro-ministro Xavier Bettel, o partido socialista luxemburguês (LSAP) e os Verdes ("Déi Gréng").

De acordo com a sondagem, os eleitores ecologistas são os mais favoráveis à participação política dos estrangeiros, com 66% a favor e 24 contra. Seguem-se os eleitores que votam nos socialistas, com 51% a favor do "sim", a mesma percentagem que entre os eleitores do DP.

Já a maioria dos luxemburgueses que votam em partidos da oposição são contra o direito de voto dos estrangeiros nas eleições legislativas. Entre os inquiridos que votam no partido cristão-social (CSV), que defende a exigência da nacionalidade luxemburguesa para poder votar nas eleições nacionais, só 38% são a favor do "sim", com 52% contra a atribuição do direito de voto aos não-luxemburgueses.

Nos simpatizantes do ADR, partido conservador de direita, a percentagem do "sim" desce para 28%, com 72% contra o voto dos estrangeiros. A maioria dos inquiridos que declaram votar no Déi Lénk (A Esquerda) também são contra a atribuição do direito de voto aos estrangeiros (50%) ,com  41% a favor, segundo o inquérito realizado para o Luxemburger Wort e a RTL pelo instituto de sondagens TNS Ilres.       


Notícias relacionadas

Sondagem Politmonitor sobre o referendo: "Não" ao voto dos estrangeiros ganha terreno
A dois meses do referendo, o "não" à atribuição do direito de voto aos estrangeiros nas eleições legislativas ganha terreno na sociedade luxemburguesa. De acordo com uma sondagem divulgada esta quarta-feira, 48% dos luxemburgueses estão contra a participação dos estrangeiros nas eleições legislativas, contra 44% dos inquiridos que dizem "sim".