Escolha as suas informações

Em 2016: Luxemburgo é o melhor país para se trabalhar no estrangeiro
Luxemburgo 10.09.2016

Em 2016: Luxemburgo é o melhor país para se trabalhar no estrangeiro

Em 2016: Luxemburgo é o melhor país para se trabalhar no estrangeiro

Foto: Shutterstock
Luxemburgo 10.09.2016

Em 2016: Luxemburgo é o melhor país para se trabalhar no estrangeiro

O Luxemburgo foi considerado o melhor país para se trabalhar no estrangeiro em 2016, de acordo com o estudo Expat Insider, da InterNations.

O Luxemburgo foi considerado o melhor país para se trabalhar no estrangeiro em 2016, de acordo com o estudo Expat Insider, da InterNations.

O documento coloca o Grão-Ducado como líder nesta categoria, ficando à frente de Taiwan e da Alemanha que fecham o pódio. Portugal surge como um dos piores classificados neste ‘ranking’: em 67 países analisados, Portugal ficou no 63º lugar.

"O Luxemburgo oferece uma economia estável, empregos seguros e um equilíbrio trabalho-vida saudável", concluíram os autores da pesquisa depois de analisar as respostas de 14.000 pessoas, de 174 nacionalidades diferentes.

Em termos de satisfação global, três em cada quarto dos inquiridos (75%) luxemburgueses afirmaram estar “satisfeitos de forma geral”, em comparação com a média global de 64%.

Quando se tratava de perspectivas de carreira, mais de dois terços dos entrevistados estavam satisfeitos com as oportunidades no Luxemburgo, enquanto 79% avaliaram como “alto” o equilíbrio trabalho-vida no Luxemburgo.

Finalmente, oito em cada dez entrevistados disseram que sentem que os seus empregos estão seguros no Luxemburgo. O Grão-Ducado liderou ainda o ‘ranking’ para a segurança e estabilidade no emprego.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Luxemburgo é o sexto melhor país para mulheres que imigram
O Luxemburgo está no Top 10 dos melhores países para as mulheres que vivem imigradas. De acordo com o ranking elaborado pela InterNations, a maior plataforma de internet dedicada aos migrantes, em que os critérios principais são o nível de vida, a segurança e a capacidade de adaptação.