Escolha as suas informações

Eleições europeias. RTL obrigada a difundir spots em francês
Luxemburgo 2 min. 03.05.2019

Eleições europeias. RTL obrigada a difundir spots em francês

O deputado David Wagner, do Déi Lénk.

Eleições europeias. RTL obrigada a difundir spots em francês

O deputado David Wagner, do Déi Lénk.
Foto: Gerry Huberty / Luxemburger Wort
Luxemburgo 2 min. 03.05.2019

Eleições europeias. RTL obrigada a difundir spots em francês

Dois dias depois de os partidos Déi Lénk e Volt terem denunciado a recusa da RTL em difundir spots eleitorais em francês, durante a campanha para as europeias, a televisão luxemburguesa vai mesmo ser obrigada a transmiti-los.

Em causa está uma nova notificação à RTL da Autoridade Luxemburguesa Independente do Audiovisual (ALIA), que regula o audiovisual e que organiza os tempos de antena da campanha. 

Depois da polémica, o regulador informou a RTL que os spots podem ser divulgados não só em luxemburguês, como tem acontecido até aqui, mas também em francês. Na quinta-feira, a ALIA transmitiu à RTL que "uma grande maioria dos partidos concordou em aceitar o uso da língua francesa", além da língua luxemburguesa, nas mensagens eleitorais transmitidas pelo canal de televisão.

 A RTL tinha recusado passar as mensagens da campanha em francês, alegando que "apenas os spots em língua luxemburguesa podem ser difundidos", invocando para isso uma ficha técnica transmitida unilateralmente pela estação de televisão ao regulador, em março. O Déi Lénk apresentou queixa ao regulador, que concluiu que a estação "não pode recusar a difusão de spots em língua francesa" e notificou disso a RTL. Apesar disso, a estação não recuou. 

Em protesto, os deputados David Wagner e Marc Baum, do Déi Lénk, apresentaram na terça-feira uma questão parlamentar ao primeiro-ministro, reclamando a sua intervenção. A resposta não tardou, com Xavier Bettel a dizer que "não cabe ao Governo comentar as negociações e discussões de uma instância independente", remetendo todas as decisões para a autoridade reguladora, ALIA. 


21.2. Wi / TC / PK RTL / Nouvelle Grille Horaire Television /Tele Foto:Guy Jallay
RTL recusa transmitir 'spots' de campanha para as europeias por candidatos falarem francês
O partido Déi Lénk acusa a estação televisiva, que legalmente está obrigada a tempos de antena, de boicotar vídeos "numa das línguas oficiais" do país.

O Déi Lénk regozija-se que a RTL tenha "finalmente cedido" e vá difundir os vídeos eleitorais "em francês, com legendas em luxemburguês", de acordo com um comunicado divulgado esta sexta-feira. "A multinacional pensa desta forma escapar à incompreensão e à cólera crescentes de grande número de pessoas no Luxemburgo", lê-se na nota. 

O partido questiona novamente a validade das "regras 'técnicas' definidas unilateralmente pela RTL", considerando que "eram desde o início nulas e não aplicáveis, por contrárias à lei e à Constituição", ao "pretender regulamentar a utilização das línguas em mensagens cujo conteúdo e a responsabilidade é da exclusiva responsabilidade dos partidos políticos", e que "não tinham que ser 'aceitadas' ou 'alteradas' por seja quem for". 

 "Se a RTL teve finalmente de se submeter à lei, isso deve-se ao facto de pela primeira vez no Luxemburgo" haver "uma autoridade administrativa independente" a supervisionar as eleições, acrescenta o partido, congratulando-se por "poder informar" os eleitores "que não compreendem luxemburguês" e que "fizeram um grande esforço de integração" inscrevendo-se para votar "no seu país de residência". 



Notícias relacionadas

Opinião. A língua desautorizada
O partido que lidera a coligação governamental tinha anunciado "o futuro em luxemburguês". O futuro já aí está, com a RTL a recusar transmitir tempos de antena em francês.
Comissário diz que luxemburguês "não está suficientemente desenvolvido" para escolarizar crianças
Marc Barthelemy foi nomeado comissário para a língua luxemburguesa em outubro e tem como missão preparar um plano para promover o idioma nos próximos 20 anos. Mas, para já, mostra-se céptico quanto à possibilidade de que a língua que defende esteja "suficientemente desenvolvida" para ser o idioma de alfabetização. Ao Contacto, falou da importância das outras duas línguas para preservar o papel central do Luxemburgo na Europa e defendeu que o português devia ser mais valorizado no país.