Escolha as suas informações

Eleições: Brasileiros votam hoje na primeira volta com duas mulheres favoritas
Aécio Neves (PSDB), Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB)

Eleições: Brasileiros votam hoje na primeira volta com duas mulheres favoritas

Foto: AFP
Aécio Neves (PSDB), Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB)
Luxemburgo 2 min. 05.10.2014

Eleições: Brasileiros votam hoje na primeira volta com duas mulheres favoritas

Os brasileiros vão às urnas hoje para escolher um novo presidente, na sétima eleição directa para o cargo desde o fim da ditadura militar no país (1964-1985), com duas mulheres à frente na preferência do eleitorado.

Os principais candidatos ao cargo são Dilma Rousseff (do Partido dos Trabalhadores/PT), Marina Silva (Partido Socialista Brasileiro/PSB) e Aécio Neves (Partido da Social Democracia Brasileira/PSDB).

Os brasileiros vão às urnas hoje para escolher um novo presidente, na sétima eleição directa para o cargo desde o fim da ditadura militar no país (1964-1985), com duas mulheres à frente na preferência do eleitorado. Os principais candidatos ao cargo são Dilma Rousseff (do Partido dos Trabalhadores/PT), Marina Silva (Partido Socialista Brasileiro/PSB) e Aécio Neves (Partido da Social Democracia Brasileira/PSDB).

Marina Silva era candidata à vice-presidência no PSB, mas o candidato presidencial Eduardo Campos morreu num acidente de avião a 13 de Agosto - no qual perderam a vida sete pessoas, em Santos, no litoral de São Paulo - o que levou a ex-senadora a concorrer à Presidência do país.

Já Dilma Rousseff quer ser reeleita, mas está a enfrentar a contestação de uma parte da população brasileira, sobretudo devido aos casos de corrupção no governo e os péssimos resultados económicos do país nos últimos anos, além dos graves problemas na saúde, educação e segurança, que resultaram em grandes manifestações em 2013 e este ano.

Aécio Neves é o preferido da ala mais conservadora do país, sobretudo do sector industrial, e conta com o apoio do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, também do PSDB, e ainda se apoia no nome/legado do avô, o já falecido ex-presidente Tancredo Neves.

No sufrágio, também serão escolhidos os governadores, deputados estaduais e distritais (no caso de Brasília), senadores e deputados federais, havendo mais de 22 mil candidatos.

Se houver a necessidade de uma segunda volta - no caso nenhum candidato obter mais de 50% dos votos válidos -, esta irá decorrer a 26 de Outubro (para os cargos de presidente, vice-presidente e governadores).

De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o Brasil possui 32 partidos registados no órgão e um total 142.822.046 eleitores, dos quais 354.184 votantes no exterior.

No Brasil, o voto é obrigatório para pessoas entre 18 e 70 anos, e facultativo tanto para os maiores de 70 como para os jovens de 16 e 17 anos.

Os maiores colégios eleitorais do país são representados em São Paulo, com mais de 31 milhões de eleitores, Minas Gerais, mais de 15 milhões, Rio de Janeiro, mais de 12 milhões, e Baía, mais de 10 milhões.

Os brasileiros que vivem no estrangeiro só votam para o cargo de Presidente.

Em Portugal, residem 92.120 brasileiros, de acordo com o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Há 17.286 eleitores brasileiros registados em Lisboa, 12.374 eleitores no Porto e 1.250 em Faro, de acordo com dados fornecidos pela chefe da 1ª Zona Eleitoral do Exterior do Brasil, Juliana Bandeira.


Notícias relacionadas

O juiz que prendeu Lula dá parabéns a Bolsonaro
O juiz Sérgio Moro que instruiu o processo de Lula e depois o colocou na prisão em tempo recorde, impedindo-o de poder concorrer às eleições, desejou uma excelente presidência ao eleito da extrema-direita. Recorde-se que o procurador que lançou a Lava Jato, Rodrigo Janot, e o homem que teve à frente do processo Mensalão, que condenou dirigentes do PT, Joaquim Barbosa apoiaram nos últimos dias o candidato do PT, Haddad.
Facadas só dão dois pontos a Bolsonaro
A última sondagem no Brasil revela que o candidato da extrema-direita perde com todos na segunda volta e que 33% dos apoiantes de Lula prontificam-se a seguir as indicações de voto deste, na semana em que o PT formaliza Haddad como candidato.
Lula: "Só eu libertei o Brasil da pobreza"
Ex-presidente a cumprir pena de 12 anos e um mês de prisão reafirma, em entrevista ao diário La Repubblica, a sua inocência e também que vai candidatar-se outra vez à presidência. Hoje é o dia em que o Partido dos Trabalhadores apresenta a sua candidatura.