Escolha as suas informações

EDITORIAL: O repto dos dez mil
Editorial Luxemburgo 2 min. 31.05.2017

EDITORIAL: O repto dos dez mil

EDITORIAL: O repto dos dez mil

Foto: Lex Kleren
Editorial Luxemburgo 2 min. 31.05.2017

EDITORIAL: O repto dos dez mil

No Luxemburgo, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, deixou um repto: se houver 10 mil novos portugueses inscritos nos cadernos eleitorais até 13 de julho, voltará ao Grão-Ducado antes do fim do ano.

No Luxemburgo, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, deixou um repto: se houver 10 mil novos portugueses inscritos nos cadernos eleitorais até 13 de julho, voltará ao Grão-Ducado antes do fim do ano.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, esteve em visita ao Grão-Ducado entre segunda e quinta-feira, durante três dias e meio. E meio, porque o hiperativo Marcelo, que chegou na segunda-feira às 20h ao Findel, noite em que não tinha encontros na agenda oficial, logo aceitou uma entrevista com o Contacto e a Rádio Latina, falou às televisões portuguesas que o seguiam como a sua sombra, aceitou um convite do grão-duque Henri para descobrir a cidade do Luxemburgo “by night”, passeio durante o qual meteu conversa com transeuntes e “puxou” o habitualmente reservado soberano luxemburguês para entrar num café português, onde num televisor passava um jogo do seu clube do coração, o Sporting de Braga.

Durante os três dias, Marcelo, apesar de uma agenda carregada, incansavelmente pediu, apelou, repetiu para que os portugueses se inscrevam nas listas eleitorais das suas comunas de residência, para poderem votar nas eleições municipais de 8 de outubro próximo. A data limite para a inscrição é 13 de julho. Marcelo confiou estar triste e não compreender as razões que levam os portugueses a não utilizarem este direito que lhes assiste para serem uma força ainda maior na sociedade luxemburguesa.

No último dia da sua visita [quinta-feira], perante representantes da comunidade reunidos no Centro Camões, em Merl, subiu o tom e disse que se zangaria com os seus conterrâneos se estes não se inscrevessem.

Horas mais tarde, na sua última intervenção pública antes de deixar o Luxemburgo e dirigindo-se aos milhares de portugueses que o tinham vindo ver a Wiltz, uma multidão em euforia que gritava o seu nome, sentiu que graças à sua popularidade podia ir ainda mais longe. E deixou um repto: se houver 10 mil novos portugueses inscritos até 13 de julho voltará ao Grão-Ducado antes do fim do ano.

Apesar da popularidade de que goza Marcelo, própria de uma estrela pop como pudemos testemunhar em Wiltz, será muito difícil a comunidade portuguesa conseguir levar a bom termo o desafio. Seria necessário que entre o dia do “apelo de Marcelo”, 25 de maio, e a data de fim das inscrições, 13 de julho, a cada dia se inscrevessem 208 portugueses nos cadernos eleitorais. Só fretando autocarros e carrinhas e levando os portugueses em grupo até às comunas... Fora de piada, seria possível se cada português se inscrevesse na sua comuna para se tornar uma força a nível político assim como já o é no mundo do trabalho e da economia. Porque só votando contará para partidos e governantes, só com a força do voto poderá exigir mais direitos para si e para os seus filhos. O direito de voto nas eleições comunais existe desde 1999. Apenas 17 mil portugueses, dos mais de 100 mil que aqui moram, estão inscritos. É pena. É possível mudar a situação? É! Basta querer.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba a nossa newsletter das 17h30.


Notícias relacionadas

Maioria de portugueses no Grão-Ducado nasceram em Portugal
Publicados no âmbito do 10 de junho, Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, os dados do gabinete luxemburguês de estatísticas (Statec) revelam que sete em cada 10 portugueses residentes no Grão-Ducado nasceram em Portugal (69,4%).
Fátima/Wiltz: Recebido como uma estrela pop, Marcelo promete voltar se portugueses se recensearem
Marcelo foi recebido em Wiltz como uma estrela "pop”, com o discurso interrompido com palmas e gritos de “Marcelo! Marcelo!", num ambiente de verdadeira euforia. David Carreira tinha atuado antes do encontro com a comunidade portuguesa no Luxemburgo, mas o Presidente da República rivalizou em popularidade com o cantor. Um momento que Marcelo aproveitou para repetir o apelo ao recenseamento dos portugueses no Luxemburgo, no que tem sido o seu mantra nesta visita de Estado.
Marcelo à comunidade portuguesa: "Se vocês não se inscrevem para votar, eu zango-me com vocês!"
"Vim aqui para vos estimular, espicaçar, para que se inscrevam nos cadernos eleitorais para poderem votar nas eleições comunais do Luxemburgo. Se eu descubro que estive aqui este tempo todo e não serviu de nada, eu zango-me com vocês", disse meio a brincar, meio a sério o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, hoje, no final do encontro "Diálogo com a Comunidade" que decorreu em Merl, no seu último dia de visita ao Grão-Ducado.
O Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa (C), participa no encontro "Diálogos com representantes da comunidade", no Instituto Camões no Luxemburgo, 25 de maio de 2017. Marcelo Rebelo de Sousa encontra-se no Luxemburgo para uma visita oficial de três dias. JOÃO RELVAS/LUSA
Editorial: Que idade tem a comunidade portuguesa?
O CONTACTO festeja este ano o seu 45° aniversário. O jornal foi fundado em Janeiro de 1970, para informar a comunidade portuguesa no Luxemburgo. Ao comemorarmos esta data, surgiu-nos uma questão natural. Em que ano exacto situar o início da emigração portuguesa para o Luxemburgo?
Em Junho de 1965 uma missa na catedral do Luxemburgo juntou meio milhar de portugueses para celebrar pela primeira vez o Dia de Portugal no Grão-Ducado.
Depois disso houve um almoço eu ma festa. Foi o primeiro evento organizado pela comunidade portuguesa no Grão-Ducado de que há registo