Escolha as suas informações

EDITORIAL: Má sorte chamar-se João
Editorial Luxemburgo 2 min. 19.10.2016 Do nosso arquivo online

EDITORIAL: Má sorte chamar-se João

EDITORIAL: Má sorte chamar-se João

Foto: Marc Wilwert
Editorial Luxemburgo 2 min. 19.10.2016 Do nosso arquivo online

EDITORIAL: Má sorte chamar-se João

Por Paula Telo Alves - Chamar-se João ou Roger pode determinar o futuro das crianças. Um estudo da Universidade do Luxemburgo indica que os preconceitos dos professores podem estar a prejudicar os alunos portugueses. O caso levou esta semana a eurodeputada Marisa Matias a questionar a Comissão Europeia.

Por Paula Telo Alves - Chamar-se João ou Roger pode determinar o futuro das crianças. Um estudo da Universidade do Luxemburgo indica que os preconceitos dos professores podem estar a prejudicar os alunos portugueses. O caso levou esta semana a eurodeputada Marisa Matias a questionar a Comissão Europeia.

Na hora de decidir quem vai para o técnico e para o clássico, considerado a via mais elitista do ensino secundário, não são só os resultados escolares que pesam na balança. Os professores são influenciados por preconceitos em relação à nacionalidade e à situação socioeconómica dos alunos, prejudicando os alunos portugueses. As conclusões são de um estudo da Universidade do Luxemburgo que o Contacto noticiou em abril e que foi agora divulgado pela agência Lusa. Trocado em miúdos, ser português, e ainda por cima pobre, pode vedar o acesso aos ramos mais elitistas do ensino secundário.

A experiência conduzida pela Universidade do Luxemburgo era simples. Os investigadores mostraram aos professores boletins fictícios de alunos luxemburgueses e portugueses. Cada boletim indicava os resultados escolares dos alunos, mas também a sua nacionalidade e a profissão dos pais. Depois, os professores tinham de decidir quem ia para o secundário clássico e para o ensino técnico-profissional. Resultado: os professores tomaram a decisão correta em relação a 90% dos alunos luxemburgueses, contra apenas 67% no caso dos portugueses.

O estudo foi feito com alunos fictícios, mas não há razão para acreditar que seja diferente na vida real. E os erros são ainda mais graves quando se sabe que a decisão sobre o futuro escolar e profissional dos alunos é tomada no final do ensino primário, selando muito cedo o destino destas crianças, como aponta a eurodeputada Marisa Matias. “A nacionalidade de uma criança não pode ser vista automaticamente como sinónimo de incapacidade de aprender, nem pode pré-determinar o tipo de ensino a que uma criança tem direito, ou a que escolhas profissionais pode ambicionar no seu futuro”, sublinha a eurodeputada na questão que apresentou à Comissão Europeia.

As conclusões da Universidade do Luxemburgo confirmam o mecanismo da reprodução social das desigualdades descrito pelo sociólogo francês Pierre Bourdieu. De forma consciente ou inconsciente, a escola, que deveria servir de ascensor social, continua a perpetuar as desigualdades dos alunos.

Mas os preconceitos dos professores não são a única barreira invisível que os portugueses enfrentam no ensino luxemburguês. A alfabetização em alemão favorece claramente os autóctones, apesar de o país ser trilingue, de o francês ser a língua mais procurada no mercado de trabalho, e de vários estudos apontarem a necessidade de diversificar a oferta escolar. Apesar disso, o Governo mantém na gaveta a promessa de fazer a alfabetização também em francês.

O sistema educativo continua a ter apenas mudanças cosméticas ou pontuais, como a abertura da Escola Internacional de Differdange. Não chega para erradicar a desigualdade profundamente enraizada na escola luxemburguesa.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Estudo: Preconceitos dos professores podem prejudicar alunos portugueses no Luxemburgo
Chamar-se Carlos ou Roger pode influenciar o percurso no ensino e o sucesso escolar dos alunos. Segundo um estudo da Universidade do Luxemburgo, os preconceitos dos professores em relação à nacionalidade dos alunos podem levá-los a tomar decisões erradas, prejudicando os portugueses. O estudo indica que os docentes cometem mais erros de avaliação com alunos portugueses do que com os estudantes luxemburgueses, quando decidem quem vai para o ensino secundário técnico ou para o clássico.
19.05.08 cours de portuguais, langue portugaise, contacto,  Schule, Schueler, bildung, photo: Marc Wilwert