Escolha as suas informações

É errado impor o luxemburguês aos alunos estrangeiros
Editorial Luxemburgo 3 min. 11.03.2019 Do nosso arquivo online

É errado impor o luxemburguês aos alunos estrangeiros

É errado impor o luxemburguês aos alunos estrangeiros

Editorial Luxemburgo 3 min. 11.03.2019 Do nosso arquivo online

É errado impor o luxemburguês aos alunos estrangeiros

Se o seu filho aprende ou não luxemburguês, isso deve ser uma escolha sua, e não uma escolha impingida pelo Governo. A opinião do jornalista Bill Wirtz.

O ministro da Educação, Claude Meisch, afirmou recentemente numa entrevista ao Luxembourg Times que iria exigir às escolas internacionais que ensinassem luxemburguês aos seus alunos. Isto faz parte de um plano de coligação para reformar o sistema de ensino internacional e criar uma educação internacional pública acessível, de forma a promover a “coexão social”.

Porque é que os luxemburgueses não haviam de gostar? As crianças aprendem línguas facilmente, e ficamos com mais uma geração de estudantes capazes de falar luxemburguês, uma língua que muitos acreditam estar em declínio. Mas há muita coisa de errado com a proposta de Meisch.


A ministra da Família e da Integração, Corinne Cahen.
"O Luxemburgo tem uma língua de integração, e é o luxemburguês"
Um dia depois do debate sobre o Plano Nacional para a Integração, que chegou ao Parlamento com quatro anos de atraso, a ministra responsável por esta pasta respondeu às críticas, e não se furtou a falar da espinhosa questão das línguas.

As escolas internacionais atraem uma população diferente das escolas secundárias regulares. As pessoas colocam os seus filhos nas escolas internacionais porque elas oferecem um currículo mais interessante ou porque valorizam o facto de o ensino ser em inglês. Alguns pais não tencionam permanecer no Luxemburgo por muito mais tempo. Qual é a necessidade de ensinar uma língua a uma criança que ela vai apenas falar de uma forma atabalhoada após cinco anos, e depois nunca mais vai voltar a usar?

Os leitores luxemburgueses podem achar que a minha opinião é típica de um expatriado que não fala a língua. Mas acontece que eu sou luxemburguês e esta é a minha língua materna. E mesmo assim acho que a proposta não tem muito sentido. Eu dou por mim a entrar em discussões semelhantes na Bélgica, onde os flamengos lamentam a educação inadequada do holandês na região francófona de Valónia. É uma realidade que o francês é internacionalmente mais útil que o holandês. E o mesmo acontece com o luxemburguês. Se perguntarmos a uma pessoa luxemburguesa a viver no estrangeiro quantas línguas é que ela fala, na maior parte das vezes a resposta é: "quatro, se contar com o luxemburguês".


Inglês é a língua estrangeira preferida dos alunos
Inglês é a língua estrangeira preferida dos alunos

A infeliz realidade desta proposta é uma questão política. Parte do eleitorado luxemburguês está preocupado com um alegado declínio no uso da língua. Claude Meisch está a tentar apaziguá-los. O medo desses eleitores não tem, no entanto, fundamento. A realidade é que, de acordo com uma sondagem da TNS Ilres, o luxemburguês é a língua de 77% da população, e dessa percentagem 94% tem entre 16 a 24 anos. Meisch também o sabe, mas em vez de cumprir a árdua tarefa de explicar isso aos eleitores, decide pôr em prática uma política que não vai ajudar nem a língua, nem os pais, nem os alunos.


Rute Tomás assina uma tese de doutoramento sobre uma experiência pioneira para combater o insucesso escolar das crianças portuguesas.
Creches. Vinte minutos de português por dia, não sabe o bem que lhe fazia
Um estudo pioneiro no Luxemburgo indica que as crianças portuguesas precisam de reforçar a língua materna para aprenderem luxemburguês e terem sucesso escolar. Uma intervenção que pode ser feita nas creches, durante vinte a trinta minutos por dia.

E a própria proposta não é uma vitória para a cultura do país. A língua nacional não está em perigo, mas mesmo se estivesse, o problema não se resolveria com algumas centenas de estudantes a aprenderem-na nas escolas internacionais. Para aprender luxemburguês é preciso participar em coisas, como a vida cultural ou política, que através do luxemburguês são muito mais acessíveis. Participar nestas coisas não é algo que o Governo possa impôr. As pessoas que não querem fazer parte disso, devem ser livres e ser recebidas como convidadas neste país. Os que se querem sentir verdadeiramente ligados ao país não precisarão de aulas obrigatórias. 

Bill Wirtz

O artigo original é um texto de opinião que foi publicado em inglês no Luxembourg Times

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Marc Barthelemy foi nomeado comissário para a língua luxemburguesa em outubro e tem como missão preparar um plano para promover o idioma nos próximos 20 anos. Mas, para já, mostra-se céptico quanto à possibilidade de que a língua que defende esteja "suficientemente desenvolvida" para ser o idioma de alfabetização. Ao Contacto, falou da importância das outras duas línguas para preservar o papel central do Luxemburgo na Europa e defendeu que o português devia ser mais valorizado no país.
Claude Meisch mudou o paradigma do ensino luxemburguês, com a criação de escolas europeias integradas no ensino público que oferecem a possibilidade de escolher a língua de alfabetização. A chegar ao fim do mandato, o ministro da Educação escreveu um livro para defender essa opção. Chama-se “Crianças fortes: um assunto do coração” (“Staark Kanner – Eng Häerzenssaach”, em luxemburguês), e foi o pretexto para fazer o balanço das reformas.
O ministro da Educação defende um ensino diferenciado para dar resposta aos alunos estrangeiros.
A língua luxemburguesa tem sido usada muitas vezes como instrumento de exclusão: para obter a nacionalidade, para aceder à função pública, ou simplesmente para apontar o dedo aos estrangeiros, acusando-os de não estar integrados no país.