Escolha as suas informações

Dois terços dos luxemburgueses contra 
testes de Luxemburguês mais fáceis
Luxemburgo 2 min. 10.11.2015 Do nosso arquivo online
Lei da nacionalidade

Dois terços dos luxemburgueses contra 
testes de Luxemburguês mais fáceis

Os testes de Luxemburguês são a grande questão fracturante na proposta do Governo para facilitar o acesso à nacionalidade
Lei da nacionalidade

Dois terços dos luxemburgueses contra 
testes de Luxemburguês mais fáceis

Os testes de Luxemburguês são a grande questão fracturante na proposta do Governo para facilitar o acesso à nacionalidade
Foto: Guy Jallay
Luxemburgo 2 min. 10.11.2015 Do nosso arquivo online
Lei da nacionalidade

Dois terços dos luxemburgueses contra 
testes de Luxemburguês mais fáceis

A esmagadora maioria dos luxemburgueses está contra a simplificação dos testes de Luxemburguês que dão acesso à dupla nacionalidade, uma das medidas propostas pelo Governo para facilitar a naturalização.

A esmagadora maioria dos luxemburgueses está contra a simplificação dos testes de Luxemburguês que dão acesso à dupla nacionalidade, uma das medidas propostas pelo Governo para facilitar a naturalização.

De acordo com uma sondagem divulgada na terça-feira, 70% dos luxemburgueses opõem-se a testes mais fáceis, sendo apenas 26% os que estão de acordo com a medida prevista no anteprojecto de lei apresentado em Outubro pelo ministro da Justiça, o luso-descendente Félix Braz.

Sem surpresa, os estrangeiros inquiridos têm opinião diferente: 58% são a favor da redução do nível de exigência dos testes linguísticos, com apenas 37% contra a simplificação.

O Governo prometeu facilitar as condições de acesso à nacionalidade luxemburguesa, após o chumbo ao direito de voto dos estrangeiros no referendo de Junho. O ante-projecto de lei apresentado por Félix Braz prevê a redução do prazo de residência de sete para cinco anos, além de baixar a exigência dos testes de Luxemburguês para o nível A2 (actualmente a lei exige B1 na compreensão, um nível mais elevado, e A2 na expressão oral).

O anteprojecto, que vai ser discutido ainda com a oposição, estabelece ainda que os filhos de pais estrangeiros nascidos no Luxemburgo possam obter a nacionalidade luxemburguesa aos 18 anos ou a partir dos 12 anos, a pedido dos pais.

Mas os testes de Luxemburguês são a grande questão fracturante no acesso à nacionalidade luxemburguesa, indica a sondagem Politmonitor. A maioria das outras medidas merece a aprovação dos luxemburgueses: 64% concordam com a atribuição da nacionalidade aos filhos de estrangeiros nascidos no país e 57% são a favor da redução do prazo de residência de sete para cinco anos.

Em contrapartida, a esmagadora maioria é contra testes de Luxemburguês mais fáceis (70%), opondo-se ainda à dispensa de exame do idioma para os cônjuges de cidadãos nacionais (65%).

Do outro lado da barricada, os estrangeiros aprovam todos os critérios propostos pelo Governo.

Outra questão em que estrangeiros e luxemburgueses não estão de acordo é na importância da naturalização para a integração dos não-nacionais. Questionados sobre se a reforma da lei da nacionalidade é "uma resposta adequada" à integração dos estrangeiros, só 27% dos luxemburgueses respondem "sim", com 35% a defenderem que "tem um papel menor" e 28% que não é uma boa resposta.

Entre os estrangeiros, 48% acham que é uma resposta adequada para promover a integração.

A sondagem Politmonitor foi realizada para o jornal Luxemburger Wort e a RTL pelo instituto TNS Ilres, entre 29 de Outubro e e 5 de Novembro. O instituto de sondagens utilizou uma amostra constituída por 1.020 pessoas com mais de 18 anos.

P.T.A.


Notícias relacionadas

A maioria dos luxemburgueses (51%) acha que o teste de língua luxemburguesa para obter a dupla nacionalidade é demasiado fácil, segundo a sondagem Politmonitor, divulgada hoje. Sem surpresa, a maioria dos estrangeiros (45%) acha que o nível exigido é demasiado alto.
A Associação de Apoio aos Trabalhadores Imigrantes (ASTI) criticou o projecto-lei da dupla nacionalidade apresentado pelo Governo, a começar pela exigência da língua luxemburguesa. Para o porta-voz da ASTI, Sérgio Ferreira, o projecto-lei "não assume que o Luxemburgo é um país trilingue", defendendo que as outras línguas oficiais "deveriam ser tidas em conta".