Escolha as suas informações

Dois novos casos de varíola dos macacos descobertos no Luxemburgo
Luxemburgo 2 min. 25.06.2022
Varíola dos macacos

Dois novos casos de varíola dos macacos descobertos no Luxemburgo

Varíola dos macacos

Dois novos casos de varíola dos macacos descobertos no Luxemburgo

Shutterstock
Luxemburgo 2 min. 25.06.2022
Varíola dos macacos

Dois novos casos de varíola dos macacos descobertos no Luxemburgo

Redação
Redação
Isto eleva a três o número total de casos conhecidos no país.

O Ministério da Saúde anunciou que descobriu dois novos casos de varíola dos macacos em residentes no Luxemburgo. Isto eleva a três o número total de casos conhecidos no país. Como na maioria dos casos descritos na Europa, os sinais de infecção dos pacientes são principalmente cutâneos e localizados na região genital, e o estado geral das pessoas é bom, como indicado em comunicado o Ministério da Saúde.

Recorde-se que a transmissão do vírus ocorre tipicamente através de um contacto próximo e íntimo. Por esta razão, o Ministério da Saúde sublinha mais uma vez a importância de se proteger e evitar situações de risco. 

"A infecção pode afectar qualquer pessoa. No entanto, o recente relatório conjunto da Organização Mundial de Saúde e do Centro Europeu de Controlo e Prevenção de Doenças mostra que a grande maioria das pessoas actualmente afectadas pelo vírus são homens, e particularmente homens que fizeram sexo com homens, não relacionados com pessoas que regressaram de áreas endémicas (África). O risco de ficar infectado aumenta com o número de parceiros", refere a OMS. 

Muitos sintomas 

A varíola dos macacos pode causar borbulhas no corpo, febre, gânglios linfáticos inchados e dolorosos debaixo do maxilar, no pescoço ou na virilha, dores de garganta, dores de cabeça, dores musculares e fadiga. Após alguns dias ou semanas, as borbulhas secam e tornam-se crostas. As crostas caem e as lesões cicatrizam. Estes sintomas não são sistemáticos e variam de pessoa para pessoa. Por vezes não há febre, outras vezes muito poucas borbulhas. Uma pessoa que está doente pode infectar outras desde o início dos sintomas até as lesões sararem. Enquanto não houver sintomas, não parece haver risco de transmissão. Em caso de sintomas e suspeita de varíola dos macacos, é aconselhável evitar o contacto próximo com outras pessoas e consultar um médico o mais cedo possível. 

A pessoa afectada pode também contactar o Serviço Nacional de Doenças Infecciosas (telefone: 4411-3091 (horário de expediente), ou 4411-2730 (hospital)). Informação útil sobre a varíola dos macacos pode ser encontrada em www.sante.lu. 


Serão precisas duas doses para atingir o nível básico de imunização
Luxemburgo vai receber até 2.500 doses da vacina contra a varíola dos macacos
A informação foi avançada pela ministra da Saúde em resposta a uma questão parlamentar.

Relativamente às 110.000 doses de vacina encomendadas pela Comissão Europeia, Paulette Lenert anunciou esta semana que 2.500 doses foram reservadas para o Luxemburgo. "A entrega na Europa está planeada antes do final do mês, mas ainda não foi definida uma data precisa", disse a governante. É de notar que para uma imunização completa, serão necessárias duas doses. Estas 2.500 doses podem, portanto, teoricamente, proteger 1.250 pessoas.  Gérard Schockmel, médico especializado em doenças infecciosas nos Hospitais Robert Schuman e perito da Agência Europeia de Medicamentos, recomendou a vacinação dos casos de contacto. Um sistema que é conhecido como "vacinação em anel". Faz sentido, porque o tempo de incubação do vírus é muito longo, entre duas a três semanas. Mas se houver uma resposta rápida, os casos de contacto poderão ser protegidos. Isto é algo que é  possível", acrescentou.

(Artigo publicado originalmente na edição francesa do Luxemburger Wort)


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas