Escolha as suas informações

Diretor-geral da OMS visitou o Luxemburgo na segunda-feira
Luxemburgo 3 min. 03.10.2022
Saúde pública

Diretor-geral da OMS visitou o Luxemburgo na segunda-feira

Tedros Adhanom Ghebreyesus com o primeiro-ministro Xavier Bettel
Saúde pública

Diretor-geral da OMS visitou o Luxemburgo na segunda-feira

Tedros Adhanom Ghebreyesus com o primeiro-ministro Xavier Bettel
Foto: Sip / Luc Deflorenne
Luxemburgo 3 min. 03.10.2022
Saúde pública

Diretor-geral da OMS visitou o Luxemburgo na segunda-feira

Tedros Adhanom Ghebreyesus reuniu-se com vários membros do governo luxemburguês.

Como parte de uma conferência de alto nível organizada pelo Banco Europeu de Investimento (BEI) sobre a resiliência dos sistemas de saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, Diretor-Geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), esteve no Luxemburgo esta segunda-feira. O responsável reuniu-se com vários membros do governo, incluindo o primeiro-ministro, o ministro da Saúde e o ministro da Cooperação e Ação Humanitária.

Xavier Bettel felicitou o diretor da OMS pelo papel central de coordenação que a organização desempenhou na gestão da pandemia de covid-19. O primeiro-ministro recordou também o compromisso do Luxemburgo com o direito à saúde para todos e reafirmou a intenção do país de alcançar o objetivo de desenvolvimento sustentável número três, sobre saúde e bem-estar de qualidade para todos, como parte da Agenda 2030. 

Primeiro-ministro defende cooperação multilateral

Xavier Bettel também expressou a sua preocupação com as muitas crises que a humanidade enfrenta atualmente, incluindo a crise climática, uma guerra na Europa e numerosas emergências humanitárias em todo o mundo. O chefe do governo salientou, contudo, que a única forma de lidar com estas crises é através de uma estreita cooperação multilateral.

Paulette Lenert e Franz Fayot discutiram muitas questões relacionadas com a saúde global num encontro conjunto com Tedros Adhanom Ghebreyesus.


Lokales, Reportage auf der Covid-Station im CHEM, Covid-19, Coronavirus, Corona, Centre Hospitalier Emile Mayrisch, Hopital, Urgence, Notfall, Krankenhaus, Infirmiere, Krankenschwester, Foto: Chris Karaba/Luxemburger Wort
Há cada vez mais gente sem acesso à saúde no Luxemburgo
Relatório dos Médicos do Mundo aponta números alarmantes em 2021.

A ministra da Saúde felicitou o diretor-geral pelo trabalho que está a ser feito sobre as principais questões da reforma institucional da OMS e a necessidade de melhorar a arquitetura global da saúde, incluindo as negociações sobre um futuro tratado sobre prevenção, preparação e resposta a pandemias e a revisão do Regulamento Sanitário Internacional através de alterações específicas. 

"É essencial que a OMS seja colocada no centro das questões mundiais de saúde pública, para ajudar os Estados a prepararem-se melhor para futuras pandemias, e que a instituição seja reforçada financeira e tecnicamente para melhor enfrentar o número crescente de desafios globais que minam os sistemas de saúde, solidariedade e equidade, e o direito à saúde para todos."

Luxemburgo quer ser parceiro-chave da OMS

Paulette Lenert anunciou também a intenção do Luxemburgo de se posicionar como parceiro-chave da OMS no âmbito do World Data Hub, uma plataforma digital interativa de dados de saúde à escala mundial. O Luxemburgo tem um conjunto muito completo de dados relativos à pandemia de covid-19, graças, em particular, aos testes e análises em grande escala das águas residuais, e está, portanto, perfeitamente adaptado a este exercício de recolha e análise de dados.

O Ministro da Cooperação e Ação Humanitária, Franz Fayot, expressou a sua inquietação com a preocupante situação sanitária global, que se deteriorou consideravelmente devido às múltiplas e complexas crises. Neste contexto, o ministro destacou o papel fundamental da OMS na reestruturação do sistema global de saúde, bem como na consolidação da cobertura universal da saúde, permitindo o acesso equitativo aos serviços de saúde para todos. 

Tendo em conta as crises sanitárias e a falta de fundos para as combater, Franz Fayot reafirmou o apoio da cooperação do Luxemburgo com a OMS, sublinhando que o país continuará a consagrar 15% dos seus apoios públicos ao desenvolvimento do setor da saúde. O Luxemburgo contribuiu recentemente com um total de 11,7 milhões de euros para o Fundo Global para apoiar a luta contra a SIDA, tuberculose e malária e para prevenir futuras pandemias.

(Este artigo foi originalmente publicado no Virgule - Luxemburger Wort.)

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas