Escolha as suas informações

Diretor e administrador deixam fundação Kraïzbierg após polémica sobre assédio
Luxemburgo 27.11.2020

Diretor e administrador deixam fundação Kraïzbierg após polémica sobre assédio

De acordo com a Fundação, as acusações contra a gestão não puderam ser verificadas pelo perito independente chamado a examinar a situação.

Diretor e administrador deixam fundação Kraïzbierg após polémica sobre assédio

De acordo com a Fundação, as acusações contra a gestão não puderam ser verificadas pelo perito independente chamado a examinar a situação.
Photo: Guy Jallay
Luxemburgo 27.11.2020

Diretor e administrador deixam fundação Kraïzbierg após polémica sobre assédio

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
Em causa está a polémica sobre alegados casos de abuso, pressão e assédio moral dentro da fundação e das suas oficinas de trabalho.

O conselho de administração da fundação Kräizbierg, em Dudelange, afastou Tom Wagner do cargo de diretor. 

Quem deixa também a fundação que acolhe e reintegra pessoas com deficiência é o administrator-delegado, Jeannot Berg, que pediu demissão.Estas duas saídas foram confirmadas, em comunicado, pela direção da fundação e das oficinas Kräizbierg.

"Para pôr fim à turbulência de que as duas entidades jurídicas Kräizbierg têm sido alvo nos últimos meses e para evitar o arrastar de conflitos entre a delegação de pessoal e a gestão", o conselho de administração refere que aceitou a demissão de Jeannot Berg.

"No mesmo espírito de conciliação entre as partes e de restauração da paz social", o conselho afastou o diretor Tom Wagner e reforçou a direção com o até então responsável do serviço de formação, Vito Savino.


OGBL organiza piquete de protesto para desbloquear diálogo na fundação Kräizbierg
A central sindical OGBL organiza esta quinta-feira um piquete de protesto em frente à fundação Kräizbierg, em Dudelange. Em causa estão alegados casos de abuso, pressão e assédio moral dentro da fundação que acolhe e reintegra pessoas com deficiência, e nas suas oficinas de trabalho.

Segundo o comunicado, estas decisões foram também tomadas após o relatório detalhado de um perito externo que, entretanto, não foi capaz de confirmar as acusações de assédio moral e sexual que pendiam sobre Jeannot Berg e de assédio moral sobre Tom Wagner.

Recorde-se que a central sindical OGBL organizou, em setembro, um piquete de protesto com os trabalhadores, em que acusava a direção de empregar métodos repressivos e defendia o regresso do cuidado das pessoas com deficiência ao lugar central na fundação.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas