Escolha as suas informações

Direção da Saúde confirma que há profissionais da saúde a recusarem vacina da AstraZeneca
Luxemburgo 2 min. 22.02.2021

Direção da Saúde confirma que há profissionais da saúde a recusarem vacina da AstraZeneca

Direção da Saúde confirma que há profissionais da saúde a recusarem vacina da AstraZeneca

Foto: AFP
Luxemburgo 2 min. 22.02.2021

Direção da Saúde confirma que há profissionais da saúde a recusarem vacina da AstraZeneca

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Reticência em ser vacinado com esta vacina não existe apenas no Luxemburgo mas também noutros países, explicou o Diretor da Saúde.

Vários profissionais da saúde em lares de idosos do Luxemburgo recusaram na semana passada serem vacinados com a vacina da AstraZeneca contra a covid-19. A informação já tinha sido divulgada por alguns órgãos de comunicação social do país mas foi confirmada esta segunda-feira pelo Diretor da Saúde, Jean-Claude Schmit, à rádio estatal 100,7.

Apesar de não se mostrar chocado com estas dados o Diretor da Saúde realçou a importância da informação fidedigna e de se esclarecer toda a população sobre esta matéria. Jean-Claude Schmit confirmou que a reticência em ser vacinado com esta vacina não existe apenas no Luxemburgo mas também noutros países, realçando que a recusa está muitas vezes relacionada com a eficácia do fármaco da AstraZeneca ou o receio de possíveis efeitos secundários.

O Diretor da Saúde esclareceu que apesar de não ser tão eficaz como as outras duas já autorizadas na União Europeia (Pfizer/BioNTech e Moderna), o fármaco da AstraZeneca pode contudo evitar casos graves da doença, que podem mesmo levar à morte. Em linha com o que já se sabe, Jean-Claude Schmit acrescentou ainda que a AstraZeneca parece ser, no entanto, menos eficaz nos casos menos graves da doença. 

O fármaco esteve recentemente sob maior escrutínio depois de vários países terem decidido vacinar com a AstraZeneca apenas doentes com menos de 65 anos, incluindo Portugal. Um dado que foi entretanto desmistificado pela OMS que reiterou que esta pode ser dada a pessoas com mais de 65 anos


Vacinas. Pfizer e Moderna mais eficazes, Sputnik mais barata e fácil de armazenar
Comparativamente, Pfizer, Moderna e Sputnik são as que superam os 90% de eficácia. AstraZeneca é a que deixa mais dúvidas.

Quanto aos efeitos secundários da vacina, Jean-Claude Schmit assegurou que a AstraZeneca é segura, tendo os mesmos efeitos que os outros antídotos contra a covid-19, nomeadamente dores musculares, febre ou ainda dores de cabeça. 

Na conversa com a 100.7 o Diretor da Saúde reiterou  que a vacinação é importante sobretudo nos lares para evitar mais óbitos e um aumento de pessoas internadas nos cuidados intensivos.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas