Escolha as suas informações

Diferença salarial entre homens e mulheres no Luxemburgo é das mais baixas da Europa
Luxemburgo 08.03.2017 Do nosso arquivo online
Disparidade ronda 8,6%

Diferença salarial entre homens e mulheres no Luxemburgo é das mais baixas da Europa

A ministra Lydia Mutsch
Disparidade ronda 8,6%

Diferença salarial entre homens e mulheres no Luxemburgo é das mais baixas da Europa

A ministra Lydia Mutsch
Foto: Pierre Matgé
Luxemburgo 08.03.2017 Do nosso arquivo online
Disparidade ronda 8,6%

Diferença salarial entre homens e mulheres no Luxemburgo é das mais baixas da Europa

A diferença salarial entre homens e mulheres no Luxemburgo ronda o 8,6%, sendo uma das disparidades mais baixas da Europa. Ainda assim, as mulheres continuam a ganhar menos do que os homens no Grão-Ducado.

A diferença salarial entre homens e mulheres no Luxemburgo ronda o 8,6%, sendo uma das disparidades mais baixas da Europa. Ainda assim, as mulheres continuam a ganhar menos do que os homens no Grão-Ducado.

“Apesar do Luxemburgo ter uma das menores disparidades salariais da Europa, o número continua aquém do objetivo: zero por cento”, referiu, à RADIO LATINA, Lydia Mutsch, ministra luxemburguesa da Igualdade de Oportunidades.

A ministra lembrou que as disparidades salariais existem “sobretudo no setor privado”.

“O facto de as mulheres interromperem, por vezes, a carreira profissional para cuidar dos filhos ou serem mais reticentes em pedir aumentos também pode pesar na balança”, referiu a ministra.

A nova lei sobre a paridade entre os sexos, que contempla a igualdade de salários entre homens e mulheres, já está em vigor no Luxemburgo.

A nova lei estipula também quotas de 40% de mulheres nas listas eleitorais dos partidos. A medida é obrigatória apenas para as eleições legislativas e europeias e os partidos que não a respeitarem incorrem em sanções financeiras.

O primeiro balanço da lei sobre “trabalho igual, salário igual” será divulgado em abril ou maio.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A luta pela igualdade de género trava-se em diversas áreas e as discriminações subsistem. Antes do Dia Internacional da Mulher, o Contacto procurou saber mais sobre o que tem sido feito e o que falta fazer para que a sociedade seja mais justa. E confirmou que se andou muito para aqui chegar, mas há ainda muito para melhorar.
O projeto de lei sobre a introdução de quotas de 40% para as mulheres nas listas eleitorais dos partidos vai a votos no Parlamento, ainda em 2016. A garantia foi dada pela Ministra da Igualdade de Oportunidades, Lydia Mutsch.