Escolha as suas informações

Desigualdades sociais em alta no Grão-Ducado
Luxemburgo 15.10.2019

Desigualdades sociais em alta no Grão-Ducado

Desigualdades sociais em alta no Grão-Ducado

Foto: Getty Images
Luxemburgo 15.10.2019

Desigualdades sociais em alta no Grão-Ducado

Manuela PEREIRA
Manuela PEREIRA
Já há muito tempo que ter um posto trabalho no Luxemburgo deixou de ser uma garantia de vida decente, sem dificuldades financeiras. Pelo menos para alguns. Os dados de 2018 avançados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (STATEC), comprovam isso mesmo.

O relatório “Trabalho e Coesão Social” revela que 13,4% dos trabalhadores estão expostos ao risco de pobreza. É o chamado fenómeno “working poor” que para milhares trabalhadores significa enfrentar situações de pobreza apesar de receberem regularmente um salário. Esse risco de exposição à pobreza é quatro vezes superior no caso dos desempregados.

A taxa de pobreza no Luxemburgo mantém-se nos 18,3% da população mas o STATEC considera que este é apenas um indicador que esconde um crescimento das desigualdades. O fosso entre ricos e pobres é cada vez mais profundo: 10% das pessoas mais abastadas têm um rendimento médio dez vezes superior aos 10% das pessoas com menos recursos.

Os grupos de pessoas mais expostas ao risco de pobreza são os das famílias monoparentais (40,7%), dos agregados familiares com mais de dois filhos a cargo (30,4%) e dos solteiros (27,8%).

O STATEC vai mais longe e sublinha que “sem a intervenção social do Estado a taxa de pobreza no Luxemburgo seria de 27,5% em vez dos atuais 18,3%”.

Foto: Shutterstock

O Luxemburgo fechou o ano de 2018 com uma baixa taxa de desemprego de 5,5% e o STATEC define o mercado de trabalho como “muito dinâmico”.

Em média, numa amostra de 100 desempregados, 28,3% encontram um posto trabalho nos três meses imediatos, sendo que 54,3% continuam fora da vida profissional. Por outro lado, 17,4% tornam-se “inativos”. Uns entram na idade da reforma, outros decidem ficar em casa a cuidar dos filhos e outros regressam à escola.

O relatório “Trabalho e Coesão Social no Luxemburgo” foi publicado pelo STATEC na véspera do Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, que se assinala esta quarta-feira.


Notícias relacionadas

Famílias mais pobres gastam 42% do seu rendimento disponível com a casa
As famílias com rendimentos mais baixos gastam 42% do seu rendimento disponível com a casa. De acordo com um relatório do instituto de estatística luxemburguês (Statec) publicado hoje, para assinalar o dia internacional para a erradicação da pobreza, as famílias com rendimentos mais baixos ficam apenas com 58% do rendimento total, depois de terem pago a casa (seja renda ou prestação ao banco).
Desigualdade salarial aumenta no Luxemburgo
A desigualdade salarial, as dificuldades no acesso à saúde e o risco de pobreza voltaram a subir em 2016 no Luxemburgo, depois de alguns anos em que a tendência foi descendente. A conclusão é do relatório Panorama Social da Câmara dos Assalariados.
Reportagem: 22% dos trabalhadores portugueses no Luxemburgo estão em risco de pobreza
Os trabalhadores portugueses no Luxemburgo são os mais expostos ao risco de pobreza. Segundo um relatório do Statec divulgado na semana passada, no ano passado 22,1% dos imigrantes portugueses viviam com menos de 1.665 euros por mês, considerado o limiar da pobreza, num país em que as rendas podem ultrapassar os mil euros. À Caritas chegam todos os dias portugueses em desespero.