Escolha as suas informações

Desde o início da pandemia houve mais 300 mortes do que o habitual
Luxemburgo 07.01.2021 Do nosso arquivo online

Desde o início da pandemia houve mais 300 mortes do que o habitual

Desde o início da pandemia houve mais 300 mortes do que o habitual

AFP
Luxemburgo 07.01.2021 Do nosso arquivo online

Desde o início da pandemia houve mais 300 mortes do que o habitual

Henrique DE BURGO
Henrique DE BURGO
Desde a declaração da primeira morte associada à covid-19, no dia 13 de março de 2020, e até e ao final do passado mês de novembro, o Instituto Nacional de Estatística (Statec) contabilizou um total de 3.269 mortes no Luxemburgo, incluindo todas as causas de óbito.

Segundo as contas do Statec divulgadas esta quinta-feira em comunicado, este número corresponde a cerca de 300 óbitos adicionais em relação aos dois anos anteriores (2.969 em igual período em 2019 e 2.907 em 2018).

Este saldo de sobremortalidade "coincide mais ou menos com os 330 óbitos atribuídos à covid-19 registados pelo Ministério da Saúde neste período", refere o Statec.Em 2020, com exceção dos meses de janeiro, fevereiro, junho e julho, em que o número de óbitos foi inferior ou comparável ao registado em média nos últimos dois anos, verifica-se um aumento de óbitos nos restantes meses.

O Statec revela que antes da primeira morte associada à covid-19, o Luxemburgo, como muitos outros países, tinha uma taxa de mortalidade até inferior aos anos anteriores "devido a um inverno particularmente ameno que não apresentou episódios de gripe reais. Isso é especialmente verdadeiro para o mês de fevereiro e a primeira quinzena de março", lê-se no comunicado.

Durante a primeira vaga da epidemia (meados de março até maio) ocorreram 1.012 óbitos, mais 14% em relação aos dois anos anteriores. A partir de agosto, o número de óbitos registados foi maior do que nos anos anteriores. Entre 1 de agosto e o final de novembro de 2020, foram registados 1.621 óbitos, quando a médias nos dois anos anteriores era de 1.410.


Tobias Hans
Primeiro-ministro do Sarre critica alívio de medidas no Luxemburgo
O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Jean Asselborn, já veio rebater as declaração de Tobias Hans, afirmando que o Luxemburgo não quer seguir um caminho separado e não quer provocar os vizinhos.

No total, entre janeiro e novembro de 2020, foram observados 4.131 óbitos pelo Statec contra 3.902 em 2019 e 3.953 em 2018.Em relação ao mês de novembro de 2020, o Statec contabilizou um total de 530 mortes, o que corresponde a mais 31,2% em relação a novembro de 2019 (404 óbitos) e mais 48% em relação a novembro de 2018 (358 óbitos).

O Instituto Nacional de Estatística revela ainda que o aumento da mortalidade foi maior nos homens, com uma média de 74 anos. Entre as mulheres, a idade média é de 80 anos. As duas médias de idade são idênticas aos dos anos anteriores.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

O número de mortes no Luxemburgo aumentou 21,4% num ano, atingindo um recorde de óbitos em abril que não se verificava desde 1975. Segundo dados divulgados hoje pelo gabinete luxemburguês de estatísticas, Statec, este aumento deve-se às mortes associadas à covid-19.
Portugal registou, entre 16 de março e 14 de abril, um “excesso de mortalidade” que atingiu de “forma desproporcionada” pessoas com mais de 75 anos, tendo-se registado 1.255 óbitos acima do expectável. Parte dos óbitos por covid-19 terão passado sem diagnóstico por falta de diagnóstico laboratorial, dizem especialistas.