Escolha as suas informações

Desde 2009: Sete mil portugueses obtiveram a nacionalidade luxemburguesa
Luxemburgo 2 min. 06.08.2015

Desde 2009: Sete mil portugueses obtiveram a nacionalidade luxemburguesa

Desde 2009: Sete mil portugueses obtiveram a nacionalidade luxemburguesa

Foto: Guy Jallay
Luxemburgo 2 min. 06.08.2015

Desde 2009: Sete mil portugueses obtiveram a nacionalidade luxemburguesa

Desde que a lei da dupla nacionalidade entrou em vigor, em Janeiro de 2009, 7.026 portugueses obtiveram a nacionalidade luxemburguesa, o que representa 27,2% do total de pedidos, de acordo com um relatório do Statec divulgado esta quinta-feira.

Os portugueses continuam a liderar os pedidos de naturalização no Luxemburgo.

Desde que a lei da dupla nacionalidade entrou em vigor, em Janeiro de 2009, 7.026 portugueses obtiveram a nacionalidade luxemburguesa, o que representa 27,2% do total de pedidos, de acordo com um relatório do Statec divulgado esta quinta-feira.  

Em segundo lugar surgem os belgas (21,2%), seguidos pelos franceses (11,2%), italianos (10,1%) e alemães (5,7%).

Dos 7026 portugueses que se naturalizaram nos últimos seis anos, a maioria (4057) nasceram no Luxemburgo, um país que não concede a nacionalidade aos nascidos no território, o chamado direito do solo.

Mas apesar de estarem "à frente do pelotão na aquisição da nacionalidade", os portugueses têm uma taxa de naturalização em relação ao número total de imigrantes no país de apenas 11,8%, "ligeiramente inferior à média entre os estrangeiros", que é de 12,3%, indica o Statec, ficando atrás de italianos (18.7%), belgas (14,8%) e alemães (14,4%).

O Statec comparou também a naturalização de residentes no Luxemburgo com a recuperação da nacionalidade pedida por descendentes de luxemburgueses a viver no estrangeiro, que representam 22% do total.

Tendo em conta apenas os residentes no Luxemburgo, a percentagem de portugueses sobe para 34,9% do total de aquisições da nacionalidade, seguindo-se os italianos (12,8%), franceses (8,2%) e belgas (7%).

O pico de naturalizações entre a comunidade portuguesa deu-se nos dois primeiros anos após a entrada em vigor da lei da dupla nacionalidade, com 1.242 aquisições em 2009 e 1.351 em 2010, descendo para 1.085 em 2011 e para 982 em 2013, o ano com menos pedidos.  No ano passado, o número de portugueses que adquiriram a nacionalidade luxemburguesa voltou a aumentar, com 1.211 naturalizações.

No Luxemburgo vivem 92.100 portugueses, que representam cerca de 16% da população, de acordo com dados do Statec de Janeiro deste ano.

22% dos que obtiveram a nacionalidade não vivem no Luxemburgo

Desde que a lei da dupla nacionalidade entrou em vigor, 25.820 pessoas obtiveram a nacionalidade luxemburguesa, de acordo com o Statec.  Entre 2009 e 2014, o número de pedidos de nacionalidade quadriplicou em relação aos cinco anos anteriores.

A explosão do número de pedidos deve-se também aos não-residentes no país, caso dos descendentes de luxemburgueses que perderam a nacionalidade, e que podem recuperá-la se tiverem um ascendente luxemburguês até 1900.

Desde que a lei da dupla nacionalidade entrou em vigor, 5.684 pessoas que não vivem no Luxemburgo adquiriram a nacionalidade luxemburguesa, representando 22% do total de naturalizações.

É o caso da maioria dos belgas que pediram a nacionalidade luxemburguesa. Entre os 5.436 belgas que obtiveram a nacionalidade luxemburguesa nos últimos seis anos, só 1.405 vivem no Luxemburgo (cerca de um quinto do total).

Uma tendência que se verifica desde 2011. Até 2010, a percentagem de não-residentes não ia além de 2,5% do total de pedidos. Desde 2011, os pedidos de recuperação da nacionalidade luxemburguesa têm vindo a aumentar, representando 41,9% do total em 2013 (o valor mais alto nos últimos seis anos) e 35,8% em 2014.


Notícias relacionadas

Daniel da Mota, candidato pelo ADR: "Se o meu partido fosse racista, eu não me candidatava"
O homem que marcou um golo do Luxemburgo contra a seleção de Cristiano Ronaldo, em 2012, é candidato às legislativas pelo ADR. O partido nacionalista é conhecido pelas posições contra os direitos dos estrangeiros, mas o jogador de futebol defende que "não é racista". Nesta grande entrevista ao Contacto, este filho de imigrantes portugueses explica as razões que o levaram a filiar-se no ADR.
Daniel Da Mota. Photo: Guy Wolff