Escolha as suas informações

Depois do debate no Parlamento: Ministra promete prevenção em resposta à petição de Tânia Silva
Tânia Silva fez-se acompanhar no debate pelo professor Christian Perrone (esq.), pelo bioquímico Marc Pauly e pela médica Aranzazu de Perdigo

Depois do debate no Parlamento: Ministra promete prevenção em resposta à petição de Tânia Silva

Foto: Chris Karaba
Tânia Silva fez-se acompanhar no debate pelo professor Christian Perrone (esq.), pelo bioquímico Marc Pauly e pela médica Aranzazu de Perdigo
Luxemburgo 1 5 min. 04.02.2016

Depois do debate no Parlamento: Ministra promete prevenção em resposta à petição de Tânia Silva

O reforço da prevenção é a primeira medida que a ministra da Saúde vai levar a cabo para combater a doença de Lyme, transmitida pela carraça. O anúncio de Lydia Mutsch foi feito esta quarta-feira durante o debate sobre a petição de Tânia Silva, no Parlamento.


Tânia Silva fez-se acomanhar no debate público pelo investigador francês Christian Perrone (esq.), pelo bioquímico Marc Pauly e pela médica Aranzazu de Perdigo
Tânia Silva fez-se acomanhar no debate público pelo investigador francês Christian Perrone (esq.), pelo bioquímico Marc Pauly e pela médica Aranzazu de Perdigo
Foto: Chris Karaba

Com quase oito mil assinaturas, a luso-luxemburguesa Tânia Silva, ela própria vítima da doença de Lyme, conseguiu ganhar a sua primeira batalha: levar a petição à discussão no Parlamento.

Acompanhada pela referência europeia na investigação da doença, o professor francês Christian Perrone, pelo biólogo luxemburguês Marc Pauly e pela citogeneticista Aranzazu de Perdigo, do Laboratório Nacional de Saúde, Tânia Silva saiu-se bem durante as duas horas de debate. Não procurou confrontos e apresentou propostas concretas, a começar pela prevenção.

“Gostaria que fossem afixados painéis informativos à entrada das florestas para sensibilizar as pessoas, que fossem distribuídas brochuras nas escolas e também pinças próprias para que as pessoas soubessem como retirar as carraças”, propôs Tânia Silva.

A resposta da ministra da Saúde não se fez esperar. “Sempre fizemos sensibilização nas escolas. Há uma brochura sobre a doença, mas vamos acentuar a sensibilização pública e reeditar essa brochura antes da Primavera. Vou dar atenção a esta petição e vamos também entrar em contacto com a administração das Águas e Florestas para pôr painéis informativos dirigidos às pessoas que passeiam na floresta”, disse Lydia Mutsch ao CONTACTO, à saída do debate.

A ministra da Saúde, Lydia Mutsch, prometeu reforçar a prevenção da doença
A ministra da Saúde, Lydia Mutsch, prometeu reforçar a prevenção da doença
Foto: Chris Karaba

A ministra lembrou ainda o ante-projecto de lei que vai obrigar os médicos e laboratórios a declarar os casos diagnosticados da doença de Lyme.

Apesar de o regulamento grão-ducal de 10 de Setembro de 2004, sobre as doenças infecciosas ou transmissíveis, obrigar os médicos a declarar os novos casos de pessoas infectadas, os casos diagnosticados nem sempre chegam às autoridades sanitárias.

Outra das medidas anunciadas prende-se com um projecto de investigação, actualmente em curso na Luxembourg Institute of Health, que “deverá aperfeiçoar os testes de despistagem com diagnósticos mais fiáveis, para evitar casos no Luxemburgo como o da Tânia Silva”, disse ainda a ministra ao CONTACTO.

O teste de despistagem utilizado no Luxemburgo, ELISA, não detecta mais do que 20% a 40% dos casos da doença. A solução para o diagnóstico precoce de casos positivos poderá estar em testes utilizados já na Alemanha, com uma fiabilidade de 90%.

Questionado sobre a eficácia destas medidas, o especialista europeu na doença de Lyme, Christian Perrone, disse que prefere “esperar para ver”.

“Os governantes mostraram um espírito aberto sobre esta questão de saúde pública. Resta agora ver o que vão fazer nos meses que se seguem”, disse o investigador francês ao CONTACTO, lembrando que a fase crónica da doença “não é ainda reconhecida em muitos países”, entre eles a França.

Tânia Silva durante a apresentaçâo da petição
Tânia Silva durante a apresentaçâo da petição
Foto: Chris Karaba

A presidente da Associação Luxemburguesa de Borreliose Lima (ALBL) também esteve a assistir ao debate. A portuguesa Sofia Araújo saudou a iniciativa de Tânia Silva, sublinhado que ajudou a "avançar a informação" junto da opinião pública.

“Mais importante que ter chegado ao Parlamento é que chegou à opinião pública e as pessoas passaram a conhecer melhor a doença e a ter uma melhor consciência de que há um problema no país”, disse ao CONTACTO a fundadora da ALBL.

Ao final do debate, os ministérios da Saúde e da Segurança Social comprometeram-se a elaborar, no espaço de um mês, um documento que reúna todas as informações disponíveis sobre a doença de Lyme no Grão-Ducado.

A formação contínua dos médicos sobre a doença, a tomada de acções enquadradas na resolução europeia da doença de Lyme e a promoção do Serviço Nacional de Doenças Infecto-contagiosas como centro de competência na matéria foram algumas das propostas feitas pelas comissões parlamentares de Petição, Saúde e Segurança Social.

REEMBOLSO DOS TRATAMENTOS CONTINUA A SER TRATADO ’COM PINÇAS’

Além da ministra da Saúde, o debate público entre peticionários e deputados contou ainda com a presença do presidente da Câmara dos Deputados e antigo ministro da Saúde, Mars di Bartolomeo, e do ministro da Segurança Social, Romain Schneider.

Sobre a questão das comparticipações do Estado aos tratamentos na fase crónica da doença, o ministro Romain Schneider disse que a doença está incluída na convenção da Caixa Nacional de Saúde (CNS) e que as “avultadas despesas” serão analisadas caso a caso.

“A doença de Lyme está na nossa convenção e todas as prestações previstas são reembolsadas pela CNS. Quando há tratamentos no exterior e um montante superior ao previsto a ser comparticipado, as pessoas podem pedir um reembolso através de um relatório fundamentado”, disse o ministro.

Momento da chegado ao Parlamento
Momento da chegado ao Parlamento
Foto: Chris Karaba

Para Tânia Silva, esta informação “é conhecida por quem trabalha na área”, enquanto um “simples trabalhador dificilmente tem acesso a essa informação” e aos reembolsos. A ideia é reforçada por um médico generalista luxemburguês.

“A fase crónica da doença de Lyme custa caro. Se for reconhecida, a CNS teria de desembolsar 16.600 euros por ano por cada paciente. Essas pessoas são tratadas como tendo fibromialgia, esclerose múltipla, reumatismo”, revelou o médico, sob anonimato, numa entrevista publicada a 30 de Outubro de 2015, no jornal Luxemburger Wort.

O médico aponta ainda o dedo aos colegas de profissão por não declararem os casos positivos à Direcção de Saúde. “Continua a ser melhor não dizer nada para se ter uma certa liberdade nas receitas médicas”.

A doença de Lyme é provocada por uma bactéria transmitida pela picada de uma carraça infectada. Os sintomas mais comuns são o cansaço e as dores corporais. Com o tempo, alguns doentes infectados podem passar para a fase crónica, com sintomas duradouros que podem deixar as pessoas debilitadas física e mentalmente.

Henrique de Burgo

Veja aqui a reacção de Tânia Silva depois do debate:



Notícias relacionadas

Doença de Lyme tratada com pinças no Luxemburgo
A doença de Lyme é provocada por uma bactéria transmitida pela picada de uma carraça infectada. Os sintomas mais comuns são o cansaço e as dores corporais. Com o tempo, alguns doentes infectados podem passar para a fase crónica, com sintomas duradouros que podem deixar as pessoas debilitadas física e mentalmente. Saiba mais sobre esta doença.
Doença transmitida pela carraça: Portuguesa quer mais comparticipações para tratamento da doença de Lyme
Uma portuguesa apresentou uma petição no Parlamento luxemburguês para reclamar que os tratamentos da doença de Lyme tenham mais comparticipação do Estado, uma iniciativa que já recolheu 567 assinaturas desde que foi admitida no site da Câmara dos Deputados, na quinta-feira. A autora da petição, a portuguesa Tânia Silva, encontra-se na fase crónica da doença transmitida pela carraça e diz que não consegue suportar os cerca de mil euros mensais dos tratamentos.
Tania Silva