Escolha as suas informações

Depois de aprovação da autorização para contratar, sindicatos insistem que a situação continua insustentável
Luxemburgo 30.10.2020

Depois de aprovação da autorização para contratar, sindicatos insistem que a situação continua insustentável

Depois de aprovação da autorização para contratar, sindicatos insistem que a situação continua insustentável

Foto: AFP
Luxemburgo 30.10.2020

Depois de aprovação da autorização para contratar, sindicatos insistem que a situação continua insustentável

Susy MARTINS
Susy MARTINS
O SNE garante que a situação nas escolas está a ficar cada vez mais crítica.

Após a aprovação no Parlamento de um texto que facilita e acelera a contratação de professores para criar uma reserva de professores de substituição para enfrentar a pandemia, o Sindicato Nacional dos Professores (SNE) vem a terreiro criticar a forma de proceder do Governo.

O SNE garante que a situação nas escolas está a ficar cada vez mais crítica, sendo que em certos sítios já não há professores de substituição, ou seja certas turmas têm de ser juntar. 


Sindicatos denunciam "caos" nas escolas
Tanto a OGBL como a CGFP acusam o ministro de minimizar a confusão que "reina nas escolas" com vários professores em quarentena e nenhuma substituição.

Uma situação para a qual o sindicato já alertou no verão, mas que não foi levada a sério. As consequências já são visíveis segundo o SNE: sete semanas após a rentrée escolar, as escolas estão a colapsar.

Para contornar esta situação, o Parlamento aprovou esta quarta-feira um projeto de lei que permite contratar professores de substituição, mesmo se estes ainda não concluíram a sua formação.

Segundo o sindicato um estagiário em formação não pode substituir um titular que se encontra em isolamento ou em quarentena, mas somente prestar vigilância nas salas de aulas.

O Sindicato Nacional dos Professores quer no entanto deixar claro que não está contra a contratação de novas pessoas, no entanto não como professores, uma vez que não têm a formação necessária para enquadrar as crianças.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.