Escolha as suas informações

Déi Lénk critica autarquia da capital por contratar empresas de segurança privadas
Luxemburgo 13.06.2022 Do nosso arquivo online
Segurança

Déi Lénk critica autarquia da capital por contratar empresas de segurança privadas

Segurança

Déi Lénk critica autarquia da capital por contratar empresas de segurança privadas

Foto: Chris Karaba
Luxemburgo 13.06.2022 Do nosso arquivo online
Segurança

Déi Lénk critica autarquia da capital por contratar empresas de segurança privadas

Susy MARTINS
Susy MARTINS
A burgomestre da capital informou recentemente que a autarquia decidiu voltar a recorrer a empresas de segurança privadas para patrulhar as ruas da chamada Ville Haute, na capital.

O partido déi Lénk voltou a criticar a autarquia da Cidade do Luxemburgo por esta recorrer a empresas de segurança privadas para patrulhar as ruas. Na semana passada, a burgomestre da capital, Lydie Polfer, informou que a autarquia decidiu voltar a recorrer a empresas de segurança privadas para patrulhar as ruas do centro da cidade, na chamada Ville Haute, justificando com o aumento da insegurança no centro da capital.

Na opinião do déi Lénk, a burgomestre está a usar o tema para desviar a atenção do seu mandato, que é "pobre em política social e de habitação", e acusa Lydie Polfer de querer "adquirir os votos da direita".

O partido da oposição reitera que a autarquia está a incorrer numa ilegalidade por permitir o uso de empresas privadas em missões reservadas à polícia. Uma polémica que já se viveu no ano passado, quando um cão patrulha da empresa privada G4S atacou um homem.


Mais de 90% dos cães polícia ou usados em missões de segurança são pastores alemães ou pastores belgas.
Meio minuto na linha vermelha
O cão que atacou um cidadão na Avenue de la Gare na semana passada estava treinado para resistir ao stress. A investida de 29 segundos tornou-se no assunto político da semana, porque o animal estava ao serviço de uma empresa de segurança privada. Mesmo treinados pela polícia, os canídeos perdem o controlo mais vezes do que se pensa.

Embora haja mais patrulhas da polícia nas ruas da cidade, segundo a burgomestre estas não são suficientes para garantir a segurança dos cidadãos.  Outro problema, segundo Lydie Polfer, é o facto de o tráfico de droga ter passado do bairro da Gare para o centro da capital, nomeadamente para a zona de Hamilius e para o parque infantil onde fica o chamado "Barco dos Piratas".

O Contacto tem uma nova aplicação móvel de notícias. Descarregue aqui para Android e iOS. Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A autarquia da Cidade do Luxemburgo não vai renovar o contrato de vigilância nas ruas da capital com a empresa de segurança privada G4S. A revelação foi feita esta terça-feira num comunicado conjunto dos partidos da oposição da capital, LSAP, os Verdes e Déi Lénk.
"Não me demito perante os traficantes". Esta é a reação da burgomestre da Cidade do Luxemburgo ao pedido de tomada de responsabilidade do partido déi Lénk a Lydie Polfer, depois de um cão da empresa de segurança privada G4S ter agredido um homem, no sábado, na avenida da Gare.
Lydie Polfer