Escolha as suas informações

Das mais de 500 pessoas fiscalizadas nos comboios da CFL, apenas 23 foram "sensibilizadas" para o uso correto da máscara
Luxemburgo 11.07.2020

Das mais de 500 pessoas fiscalizadas nos comboios da CFL, apenas 23 foram "sensibilizadas" para o uso correto da máscara

Das mais de 500 pessoas fiscalizadas nos comboios da CFL, apenas 23 foram "sensibilizadas" para o uso correto da máscara

Foto: Anouk Antony
Luxemburgo 11.07.2020

Das mais de 500 pessoas fiscalizadas nos comboios da CFL, apenas 23 foram "sensibilizadas" para o uso correto da máscara

Numa operação relâmpago lançada na manhã deste sábado, as autoridades do Luxemburgo não registaram qualquer infração nos comboios da CFL.

Nenhuma das mais de 530 pessoas apanhadas na fiscalização que a polícia do Luxemburgo lançou em nove comboios, entre as 6h13 e as 11h40 da última quarta-feira, pagou os 149 euros da multa que o governo criou para impôr o uso de máscara obrigatória nos transportes e recintos fechados.

A informação consta do boletim que as autoridades fizeram chegar às redações na manhã deste fim de semana. Com um saldo positivo, a polícia sublinha que "todos os passageiros estavam devidamente equipados com máscaras de proteção". Apenas 23 foram "sensibilizados para o seu uso correto". 

Por cá, o uso obrigatório da máscara nos transportes públicos entrou em vigor em abril e, seguindo as recomendações da Organização Mundial de Saúde, deve continuar a ser norma. 

Além dos passageiros, a regra também se aplica aos condutores e funcionários. 

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Governo "clarifica" e continua a recomendar uso de máscara
Criticada pelo CSV, a ministra da Saúde esclarece que o Luxemburgo adapta as estratégias de proteção da população com base nas orientações da Organização Mundial da Saúde. Em poucas semanas, distribuiu cerca de 192 mil máscaras só nos serviços públicos.
Usar máscara ou não, eis a questão
O debate sobre a utilização de máscaras de proteção marca o atual combate à pandemia da covid-19. Obrigatória para uns, nem tanto para outros, a questão tem gerado dúvidas entre a população mundial e até entre os membros da comunidade científica.