Escolha as suas informações

CSV quer proibir o uso da burca no Luxemburgo
Luxemburgo 22.10.2015

CSV quer proibir o uso da burca no Luxemburgo

CSV quer proibir o uso da burca no Luxemburgo

Foto: Guy Wolff
Luxemburgo 22.10.2015

CSV quer proibir o uso da burca no Luxemburgo

O CSV, o Partido Social Cristão do Luxemburgo, está a elaborar um proposta de lei que prevê a proibição do uso da burca no Luxemburgo.

O CSV, o Partido Social Cristão do Luxemburgo, está a elaborar um proposta de lei que prevê a proibição do uso da burca no Luxemburgo.

Viviane Reding, do CSV, diz que o objetivo da lei é promover e proteger a igualdade dos direitos das mulheres na sociedade luxemburguesa. A questão surge numa altura  em que o Luxemburgo se prepara para acolher e integrar centenas de refugiados, de todas as crenças religiosas.

O uso da burca também foi abordado durante uma reunião de informação com os moradores do bairro de Kiem, em  Kirchberg, cujas casas estão perto do novo centro de asilo de emergência, no Hall 6 da Luxexpo. Os moradores dizem que quem quer viver no Luxemburgo deve respeitar o direito e os costumes do país.

O uso da burca já deu origem a uma petição que deu entrada no Parlamento do Luxemburgo no início de Outubro. Os assinantes da petição pedem que se crie uma lei que impeça as pessoas de cobrir o rosto em lugares públicos.

"Hoje em dia muitas pessoas sentem-se desconfortáveis quando encontram pessoas com o rosto coberto, por exemplo, nos supermercados, nos parques de estacionamento e na rua", escrevem os autores da petição.

"Mulheres que usam o véu para cobrir o rosto, devem obedecer à lei e aos hábitos do nosso país", concluem.

De acordo com as últimas estimativas, no Luxemburgo deverá haver cerca de 100 mulheres que usam burca no Luxemburgo. Ao contrário da Bélgica, e da França, no Luxemburgo não é proibido o uso da burca. No entanto, nas escolas luxemburguesas é proibido cobrir totalmente o rosto.

Em Junho de 2014, o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos afirmou que qualquer estado tem direito a proibir o uso de véus que cubram o corpo.



Notícias relacionadas

Fumadores contra-atacam com petição no Parlamento
A petição para banir o fumo das esplanadas no Luxemburgo recolheu esta semana o número necessário de assinaturas para ser discutida no Parlamento, mas já tem contestação. A contra-petição n° 1083, ainda à espera de luz verde da Comissão de Petições, defende que a medida, a ser aprovada, discrimina os fumadores.
Entrevista: Nova lei da nacionalidade “é mais aberta e acessível”
Filho de imigrantes algarvios, o ministro da Justiça esteve “a um milímetro” de se comover quando apresentou a nova lei da nacionalidade no Parlamento. Mas apesar de alguns avanços, o diploma, que entrou em vigor a 1 de abril, foi criticado pelas associações de estrangeiros. Em causa está a exigência do luxemburguês, que transita da lei anterior e continua a ser o maior obstáculo à naturalização. Ao Contacto, Félix Braz disse que voltar a admitir as três línguas oficiais “é hoje politicamente impossível”, mas defendeu que a nova lei “é mais aberta e acessível” e “permite o acesso de todos” à nacionalidade.
Félix Braz.