Escolha as suas informações

Crise sanitária tornou trabalho das mulheres mais visível
Luxemburgo 27.05.2020 Do nosso arquivo online

Crise sanitária tornou trabalho das mulheres mais visível

Enfermeiras na maternidade Dr. Bohler, em Kirchberg.

Crise sanitária tornou trabalho das mulheres mais visível

Enfermeiras na maternidade Dr. Bohler, em Kirchberg.
Foto: Pierre Matgé
Luxemburgo 27.05.2020 Do nosso arquivo online

Crise sanitária tornou trabalho das mulheres mais visível

Susy MARTINS
Susy MARTINS
A central sindical OGBL reivindica um reforço da política em favor da igualdade de género no Luxemburgo.

A crise pandémica provocada pela covid-19 está a demonstrar segundo a central sindical OGBL que o trabalho remunerado das mulheres concentra-se mais nos setores da saúde e dos serviços. Estes foram, aliás, os que estiveram na primeira linha de combate à covid-19 no Luxemburgo e que foram considerados "essenciais". 

No entanto, o sindicato considera que é justamente nessas áreas que as condições de trabalho são difíceis. A OGBL refere que as pessoas são mal pagas e os empregos são instáveis. No setor da saúde e ação social, por exemplo, 76% dos trabalhadores são mulheres. Uma taxa que aumenta para 83% no setor das limpezas. Desta forma, a central sindical reivindica um reforço da política em favor da igualdade de género no país.


UE. Luxemburgo entre os países onde mulheres são mães cada vez mais tarde
País está acima da média comunitária e aparece em terceiro na lista.

Segundo a organização, a crise não deve ampliar as desigualdades, mas ao contrário, tem de servir de incentivo para acelerar a instauração de medidas que garantam a igualdade. E propõe ainda que o Ministério das Igualdades de Oportunidades lance um inquérito sobre o impacto da crise da covid-19 nas famílias e nas mulheres no mundo do trabalho. E quer mesmo respostas a outras questões: como é que os casais se organizaram para estudar com os filhos; que obstáculos é que as famílias monoparentais encontraram.

Para a OGBL as medidas atuais que permitem uma melhor gestão da vida privada e trabalho são insuficientes. Neste contexto, o sindicato relembra uma antiga revindicação: reduzir de forma geral o tempo de trabalho.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A recém eleita secretária-geral da central sindical OGBL fala sobre o mercado laboral no Luxemburgo e sobre o facto de muitos trabalhadores ainda terem medo de se sindicalizar. Aquela que deverá ser a futura presidente da OGBL considera que é altura de reduzir o número de horas trabalhadas e defende que um aumento de cem euros no salário mínimo não chega. Back refere ainda o momento crucial para os sindicatos, as eleições sociais em março de 2019 e as relações com o LCGB. “Teremos guerra eleitoral durante sete meses”, promete.
Nora Back.