Escolha as suas informações

"Crise habitacional" no Luxemburgo. Preço dos imóveis cresceu mais do que o salário médio
Luxemburgo 27.02.2020 Do nosso arquivo online

"Crise habitacional" no Luxemburgo. Preço dos imóveis cresceu mais do que o salário médio

"Crise habitacional" no Luxemburgo. Preço dos imóveis cresceu mais do que o salário médio

Foto: Pixabay
Luxemburgo 27.02.2020 Do nosso arquivo online

"Crise habitacional" no Luxemburgo. Preço dos imóveis cresceu mais do que o salário médio

"18,3% dos proprietários e inquilinos enfrentam risco de pobreza", segundo o estudo do Observatório da Habitação que a Chambre des Salariés usa para exigir medidas urgentes.

Confrontada com os números "horríveis" divulgados pelo Observatório da Habitação, a Chambre de Salariés (CSL) exige medidas urgentes para combater a crise habitacional no Grão-Ducado, refletida no "aumento contínuo e alarmante dos preços dos imóveis". 

O estudo mostra que o custo da habitação pesa, em média, um terço do rendimento disponível das famílias. "18,3% dos proprietários e inquilinos enfrentam risco de pobreza", vincou o líder da CSL Sylvain Hoffmann, em conferência de imprensa. 

Entre o início dos anos 2000 e meados de 2010, os preços dos imóveis subiram mais do que o salário médio. O preço de compra disparou 65,5% e as rendas subiram 47,5%, contra um aumento de "apenas" 33,6% dos salários médios. 

A estrutura sindical avisa que, enquanto o Luxemburgo continuar confrontado com a falta de habitação a preços acessíveis, a disparidade vai manter-se e tem tendência a agravar-se. Noutras palavras, enquanto a procura de um teto for superior à oferta, a especulação imobiliária vai continuar a ter efeitos na qualidade de vida dos luxemburgueses. 

Ferida aberta

A CSL quer impor uma renda máxima e reavaliar o preço dos terrenos. Além disso, exige que os custos e o pagamento de comissões às agências imobiliárias sejam assumidos pelos proprietários e não pelos inquilinos. 

Só na capital, "11 famílias e 11 empresas detêm 63% dos terrenos disponíveis no valor de 3,8 mil milhões de euros", denunciou a presidente da OGBL, Nora Back que fez questão de sublinhar que o orçamento do Ministério da Habitação é dos mais baixos do governo, apesar de ser essencial "investir em habitação social". De resto, a verba foi a que menos aumentou entre 2019 e 2020. Este ano, Henri Kox tem mais 2,7% das verbas para tentar contornar um dos problemas mais flagrantes do país. A CSL propõe "mobilizar parte do Fundo de Compensação de Pensão". Também quer multar os proprietários com terrenos e habitações vazias e "construir uma reserva substancial de terra pública". 


Notícias relacionadas

Reservado o direito de admissão
São necessários 140 anos em Espanha, cerca de quatro gerações, para que uma família trabalhadora atinja os proveitos necessários para chegar ao rendimento médio desse país. Para aqueles que comentavam que provavelmente em Espanha o “elevador social” estaria avariado, um analista revelava que as únicas sociedades europeias em que esta ascensão social era mais rápida do que no estado espanhol era apenas nos países nórdicos. O que quer dizer que no resto da Europa são precisos muito mais do que 140 anos.
O alerta vermelho dos organismos internacionais sobre o imobiliário
O parque habitacional tem estado no radar de vários organismos internacionais como a organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), Fundo Monetário Internacional (FMI), Comissão Europeia e até nas notas de avaliação das agências de rating, Standard & Poor’s (S&P) e DBRS. Os alertas têm sido uma constante nos relatórios que têm sido divulgados sobre o Luxemburgo.
A Comissão europeia é um dos muitos organismos internacionais que tem feito reparos ao estado do mercado imobiliário no Luxemburgo.