Escolha as suas informações

CovidCheck nas empresas. Um desafio para a ITM
Luxemburgo 27.01.2022
Inspeção do Trabalho

CovidCheck nas empresas. Um desafio para a ITM

Inspeção do Trabalho

CovidCheck nas empresas. Um desafio para a ITM

Foto: Marc Wilwert
Luxemburgo 27.01.2022
Inspeção do Trabalho

CovidCheck nas empresas. Um desafio para a ITM

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Os controlos do CovidCheck nas empresas são um desafio para a Inspeção do Trabalho (ITM). Uma afirmação do diretor da administração, Marco Boly, à radio estatal 100,7.

Segundo o diretor, para além de ser mais uma tarefa dispendiosa em tempo para os inspetores, estes também são regularmente atacados verbalmente por trabalhadores que não concordam com as medidas Covid impostas pelo Governo.

Nos últimos dez dias, os inspetores da ITM controlaram 107 vezes se a medida do CovidCheck estava a ser respeitada nas empresas, sendo que em nove vezes o trabalhador foi obrigado a interromper o seu trabalho, por não apresentar um certificado válido. 


Desde o último sábado, os trabalhadores que não tenham um certificado válido para o regime 3G do CovidCheck não podem aceder às instalações da sua empresa.
Pagar para trabalhar. O novo dilema dos não vacinados para entrar nas empresas
Desde o último sábado, os trabalhadores no Luxemburgo são obrigados a apresentar um de três certificados para aceder ao local de trabalho: vacinação completa, recuperação ou teste negativo. Quem não estiver vacinado pode gastar pelo menos 400 euros por mês.

Neste caso, os trabalhadores têm de permanecer em casa até apresentarem um certificado válido.

Note-se que desde 15 de janeiro vigora o 3G nas empresas, ou seja, o trabalhador tem de apresentar um certificado de vacinação, recuperação ou um teste negativo (PCR ou antigénio). Uma medida que vai continuar em vigor até 28 de fevereiro.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Sindicalistas e até patrões consideram que a nova lei não é mais do que a vacinação obrigatória disfarçada. Uma medida "desnecessária" que dá poder aos empregadores para despedimentos. Aos não vacinados, sindicatos deixam alertas e conselhos.