Escolha as suas informações

CovidCheck generalizado, ajuntamentos. O que muda a partir de 19 de outubro
Luxemburgo 2 min. 19.10.2021
'Lei covid'

CovidCheck generalizado, ajuntamentos. O que muda a partir de 19 de outubro

'Lei covid'

CovidCheck generalizado, ajuntamentos. O que muda a partir de 19 de outubro

Gerry Huberty
Luxemburgo 2 min. 19.10.2021
'Lei covid'

CovidCheck generalizado, ajuntamentos. O que muda a partir de 19 de outubro

Catarina OSÓRIO
Catarina OSÓRIO
A partir de agora, as crianças a partir de 12 anos e 2 meses devem apresentar o CovidCheck para aceder a eventos que adiram ao regime 'vacinado, recuperado ou testado'.

Apesar da forte crítica de vários sindicatos e associações, a nova 'lei covid' foi aprovada esta segunda-feira no Parlamento luxemburguês. Esta é uma lei a dois andamentos, com algumas regras a serem válidas a partir desta terça-feira, outras a partir de 1 de novembro. 

Com o CovidCheck alargado a outros setores da sociedade, o Governo pretende tornar a vida mais fácil aos vacinados, colocando 'pressão' a quem não o fez a fazê-lo. Uma visão considerada discriminatória pela Comissão dos Direitos Humanos, mas que não foi suficiente para travar o voto positivo da coligação governamental no Parlamento.

Assim, a principal medida é a extensão do CovidCheck aos setores da Horeca e às empresas, esta última a mais constestada nos últimos dias. Mas algo que só acontecerá a partir de 1 de novembro. Por um lado, o Executivo quer dar margem temporal às empresas, cafés e restaurantes para se prepararem para a aplicação prática do sistema. Por outro, dar tempo a quem não se vacinou a fazê-lo. 

Mas a nova lei inclui outras alterações, por exemplo nas regras sobre os ajuntamentos, e que entram já em vigor a partir de 19 de outubro:

19 de outubro

  • Crianças a partir de 12 anos e 2 meses devem apresentar o CovidCheck (teste negativo, certificado de vacinação, ou certificado de recuperação da covid-19) para aceder a eventos sociais que prevejam o apresentação do passe sanitário. Por exemplo, idas ao cinema, concertos ou manifestações. 
  • Aumenta o limite do número de pessoas que podem reunir de 300 para 2.000.
  • Eventos que apliquem o CovidCheck deixam de ter limite máximo de pessoas.
  • Licença por razões familiares devido à pandemia estendida até 18 de dezembro.

1 de novembro

  • Introdução do CovidCheck nas empresas (empregadores escolhem ou não aplicar, mas uma vez aplicando todos os trabalhadores e visitantes dos escritórios terão de mostrar o passe sanitário. E haverá sanções, segundo o Governo.)
  • CovidCheck obrigatório para consumir no interior de cafés, bares e restaurantes. No exterior, resturação pode ou não optar por aplicar o CovidCheck.

Com as novas regras deixam ainda de existir os autotestes em vários setores, como Horeca e empresas. Mas há exceções: hospitais, lares e escolas do ensino secundário vão continuar a permitir a realização de autotestes


Quem tomar primeira dose da vacina anticovid até 1 de novembro também terá testes gratuitos
A oferta de testes PCR para quem não tem vacinação completa foi alargada para quem tomar a primeira dose até 1 de novembro, retificou o Governo, esta segunda-feira.

Também os testes certificados passam a ser pagos do próprio bolso, à exceção de quem tomar a primeira dose da vacina covid-19 até 1 de novembro. Assim, estes pacientes terão acesso a testes PCR gratuitos para entrar em estabelecimentos e empresas que aplicarem o CovidCheck enquanto não possuem o certificado de vacinação completa.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Sindicalistas e até patrões consideram que a nova lei não é mais do que a vacinação obrigatória disfarçada. Uma medida "desnecessária" que dá poder aos empregadores para despedimentos. Aos não vacinados, sindicatos deixam alertas e conselhos.
Não será à meia-noite mas sim à 1h da manhã que os autotestes vão deixar de ser uma opção para entrar em restaurantes, cafés, bares ou discotecas. A decisão foi hoje anunciada pela ministra da Saúde, Paulette Lenert, em sede de comissão parlamentar da Saúde.