Escolha as suas informações

CovidCheck. Começou a caça aos falsificadores
Luxemburgo 2 min. 19.11.2021
Fraude

CovidCheck. Começou a caça aos falsificadores

Fraude

CovidCheck. Começou a caça aos falsificadores

Foto: Guy Jallay
Luxemburgo 2 min. 19.11.2021
Fraude

CovidCheck. Começou a caça aos falsificadores

Patrick JACQUEMOT
Patrick JACQUEMOT
Primeiro-Ministro e Ministra da Saúde disseram que há traficantes de certificados que pedem emprestados ou compram códigos QR ou certificados de vacinação falsos a "certos médicos". Também poderão estar envolvidos assistentes de laboratórios.

Em cada crise de covid-19, a polícia do Grão-Ducado nunca está muito longe. Em vinte meses, os seus agentes terão que ora zelar pelo cumprimento das regras de encerramento de negócios durante o confinamento, ora fiscalizar as idas e vindas na hora do toque de recolher. Agora estão também a verificar a aplicação correta do dispositivo CovidCheck. E, sem surpresas, não faltam infratores. Pior ainda, falsificações. Circulam documentos falsos que supostamente atestam que o seu portador foi “Testado”, está “Curado” ou foi “Vacinado”.

E se o fenómeno de falsificação foi detetado, não há dúvida de que as autoridades não o deixarão prosperar impunemente. O Primeiro-Ministro deu essa garantia à Câmara na quinta-feira. O ministro da Saúde fez o mesmo esta sexta-feira.

“Faço um apelo à inteligência das pessoas”, disse uma frustrada Paulette Lenert, diante da atitude dos que querem enganar um aparelho que supostamente evitaria o risco de contaminação "invisível".

Nas redes sociais multiplicam-se os depoimentos de dispositivos CovidCheck que ficam verdes após a apresentação de perfis atribuídos tanto a Bob Esponja quanto a Adolf Hitler. Nada engraçado no primeiro caso, duvidoso no segundo.


Hitler, Mickey ou SpongeBob teriam certificado validado pelo CovidCheck
Desde que o certificado de vacinação digital entrou em vigor, os casos de fraude insólitos têm vindo a público. Deputada do CSV deixa o aviso: a aplicação móvel do Luxemburgo não consegue detetar todas as fraudes.

"Falsificação técnica" está também a ser investigada

"É triste ... trágico", disse o ministro. “Provocação pura (...) um gozo”, avalia Xavier Bettel. Quantos prevaricadores já foram identificados? “Uma pequena meia dúzia. E a polícia encaminhou as informações para a justiça”. Para estes, existe o risco de uma sanção pesada.

Durante a sua última conferência de imprensa, a 19 de novembro, o Primeiro-Ministro e a Ministra da Saúde mencionaram outra tendência dos traficantes de certificados: pedem emprestados ou compram códigos QR ou certificados de vacinação falsos. Assim, faz sentido a pergunta de sexta-feira sobre se haverá "pessoas que fornecem dados falsos ao sistema", e mais claramente "certos médicos" ... Uma "falsificação técnica" para a qual várias investigações já estão em curso no sentido de identificar os seus autores. Também poderão estar envolvidos assistentes de laboratórios sem escrúpulos.

Para a popular ministra da Saúde, é urgente acabar com este tipo de ação. A polícia e o Ministério Público estão mobilizados nesta caça aos falsificadores. Os serviços da Direção de Saúde e do Ministério da Digitalização (que desenvolveu a app CovidCheck) procuram também "excluir certificados falsos" dos dados individuais guardados nos servidores.


Com a aplicação CovidCheck.lu qualquer residente pode verificar código QR do passe sanitário. (foto: John Schmit)
Funcionário do Ministério da Saúde tenta falsificar CovidCheck
Foi suspenso das suas funções.

Três fatores, nem mais um

Para que um CovidCheck fique verde à entrada de um hospital, bar ou sala de concertos, a regra é simples: quem entra no aplicativo deve ter um certificado ou um código QR que ateste a sua situação de “Testado”, “Curado” ou “Vacinado”. Não há dúvida de que seria útil adicionar um quarto sinal que indicaria o nível de anticorpos de cada um após a exposição ao vírus. “Não há nada de muito concreto” em relação a esse critério, admitiu o ministro da Saúde, apesar da ideia ter sido vagamente considerada há alguns meses.

 (Notícia original publicada no Luxemburguer Wort).

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas