Escolha as suas informações

Vai ser preciso Covid-Check para entrar nos hospitais
Luxemburgo 2 min. 01.09.2021
Covid-19

Vai ser preciso Covid-Check para entrar nos hospitais

Covid-19

Vai ser preciso Covid-Check para entrar nos hospitais

Luxemburgo 2 min. 01.09.2021
Covid-19

Vai ser preciso Covid-Check para entrar nos hospitais

Paula SANTOS FERREIRA
Paula SANTOS FERREIRA
Também nos lares de idosos a medida vai ser introduzida a partir de 15 de setembro. Mesmo para uma consulta médica no hospital é preciso covid-check.

É mais uma medida para convencer as pessoas que se recusem a vacinar decidam receber as duas doses da vacina contra a covid-19. Xavier Bettel e Paulette Lenert frisam que a vacinação não pode ser obrigatória, mas as pessoas que possam ser vacinadas devem fazê-lo. Para se protegerem a si e à sociedade.


Testes PCR vão passar a ser pagos e os rápidos podem desaparecer
Num forte apelo à vacinação e com as infeções a crescer, o primeiro-ministro, Xavier Bettel, anuncia que a partir de 15 de setembro os testes vão passar a ser pagos.

Além dos testes PCR pagos a partir de 15 de setembro também só vai ser permitida a entrada nos hospitais e lares de terceira idade com covid-check.

"São locais onde estão pessoas vulneráveis", justificou a ministra. Assim, a partir de 15 de setembro "para visitar uma pessoa internada ou ir a uma consulta médica", quem entrar num hospital tem de mostrar o covid-check. Lenert frisou que os hospitais têm de ser locais totalmente seguros, bem como os lares de terceira idade.

No Luxemburgo cerca de 70% da população tem já completamente vacinada e 74% possui já uma primeira dose da vacina, número este acima da média europeia. "Esperamos que, com os testes PCR pagos, as pessoas aderiram à vacinação e quem ainda não se vacinou que se vacine", pois a vida ficará muito mais facilitada, disse Xavier Bettel.

O primeiro-ministro anunciou ainda que caso a sensibilização e as campanhas de vacinação, bem como as novas medidas não surtam o efeito desejado e que continue a haver pessoas que recusem ser vacinadas, outras medidas mais restritivas poderão ser adotadas a partir de 18 de outubro.

"Os testes rápidos podem desaparecer a partir de outubro", vincou o chefe do executivo. Com os testes PCR a serem pagos, continua a existir a alternativa dos testes rápidos para a entrada em diversos locais. Se estes deixarem de estar disponíveis, quem não se quer vacinar fica sem possibilidade de aceder a vários locais públicos. "Atualmente há oito doentes nos cuidados intensivos e nenhum deles está vacinado", realçou o primeiro-ministro. 


Os perigos da variante Delta, o início do ano letivo e a terceira dose
Na última semana, as infeções aumentaram 50% no país, provocadas quase na totalidade pela mutação mais perigosa do vírus. O regresso após as férias está marcado pela ameaça de uma nova vaga da covid. Conheça as novas possíveis medidas e as explicações sobre os riscos da variante Delta.

Paulette Lenert declarou que as pessoas mais reticentes à vacinação anticovid encontram-se na faixa etária dos 18 aos 50 anos. Do mesmo modo a idade média das hospitalizações e dos cuidados intensivos continua a ser mais baixa e cada vez mais há pessoas mais jovens a dar entrada nos hospitais infetada e que não está vacinada.

"A vacina não protege a 100% contra a infeção, há pessoas infetadas que estão vacinadas", mas diminui cerca de 80% o risco de contrair uma infeção grave e permite prevenir as infeções a quem não pode ser vacinado, defenderam ambos os governantes na conferência de imprensa desta quarta-feira.  

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas