Escolha as suas informações

“Covid-19 vai deixar marcas no Luxemburgo” - Paulette Lenert
Luxemburgo 11.03.2020

“Covid-19 vai deixar marcas no Luxemburgo” - Paulette Lenert

“Covid-19 vai deixar marcas no Luxemburgo” - Paulette Lenert

Foto: Anouk Antony
Luxemburgo 11.03.2020

“Covid-19 vai deixar marcas no Luxemburgo” - Paulette Lenert

Susy MARTINS
Susy MARTINS
A Organização Mundial de Saúde declarou esta quarta-feira o surto de Covid-19 como pandemia. Já esta manhã a ministra da Saúde do Luxemburgo evocava essa possibilidade.

“Estamos a dirigir-nos para uma pandemia”, disse Paulette Lenert esta quarta-feira aos microfones da rádio pública 100,7.

A ministra da Saúde garante, contudo, que os hospitais do Luxemburgo estão preparados e equipados para enfrentar o surto, acrescentando que a população tem de estar consciente de que vai haver pessoas que vão sofrer complicações devido ao novo coronavírus. Paulette Lenert frisa que “há disponibilidade de camas suficientes e que o país está bem preparado”.


O primeiro-ministro, Xavier Bettel, e outros três membros do governo fizeram o ponto da situação das ações do Luxemburgo para fazer face ao surto do novo coronavírus.
Covid-19. Luxemburgo reforça plano de contingência
As novas medidas foram decididas esta manhã pelo governo reunido em Conselho de Ministros.

Um dos objetivos do governo é que os laboratórios privados possam num futuro próximo fazer os testes para detetarem se uma pessoa está infetada com o Covid-19, mas isso não significa que o laboratório público tenha atingido o limite das suas capacidades, garante Paulette Lenert.

Em resposta aos rumores de que a Inspeção da Saúde não faz rastreio às pessoas com sintomas, a ministra responde que para haver teste ao Covid-19 é preciso preencher dois critérios: ter estado numa região de risco e ter sintomas como febre, tosse e problemas respiratórios.

Paulette Lenert acrescenta que quando foi descoberto o primeiro caso no Luxemburgo, a situação estava sob controlo, mas que entretanto já não reina o mesmo otimismo. “É preciso estar consciente de que nos estamos a dirigir para uma pandemia e que não se vai poder controlar tudo a 100%”, frisou a ministra da Saúde. Mas “o Grão-Ducado está a fazer de tudo para estar bem preparado”.

Lenert acredita que o coronavírus vai deixar marcas no Luxemburgo, não descartando a possibilidade de o Covid-19 fazer vítimas mortais.


Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

Covid-19. O mês em que abandonamos as ruas da Europa
O estado de emergência de três meses foi decretado há nove dias, mas o número de infetados do país não para de crescer. O Luxemburgo chegou a ser apontado como o terceiro país do mundo com mais casos positivos de coronavírus, por cada milhão de habitantes. O primeiro-ministro, Xavier Bettel, explica a razão: “estamos a fazer mais testes que nos outros países, por isso, temos mais casos registados”.