Escolha as suas informações

Covid-19. Luxemburgo aposta na utilização de testes rápidos de diagnóstico
Luxemburgo 3 min. 17.11.2020

Covid-19. Luxemburgo aposta na utilização de testes rápidos de diagnóstico

Covid-19. Luxemburgo aposta na utilização de testes rápidos de diagnóstico

Sven Hoppe/dpa
Luxemburgo 3 min. 17.11.2020

Covid-19. Luxemburgo aposta na utilização de testes rápidos de diagnóstico

Ana B. Carvalho
Ana B. Carvalho
Está prevista para 20 de novembro uma primeira entrega com 75.000 testes antigénicos rápidos.

O Luxemburgo decidiu acrescentar os testes antigénicos rápidos (RAT) à sua estratégia de diagnóstico de covid-19. Este método pode detetar a infecção pelo novo coronavírus num período de 15 a 30 minutos. 

Em vez de detetar o genoma SRA-CoV-2, estes testes procuram proteínas virais. Uma pesquisa que além de ser mais simples e rápida,  não requer análises laboratoriais. Estes novos testes rápidos prometem, portanto, poupar tempo considerável, um fator crítico na luta contra a atual pandemia. 

Os testes antigénicos juntam-se assim à "equipa" de instrumentos utilizados para diagnosticar a presença do novo coronavírus, das quais já fazem parte os testes PCR, que são retirados da garganta ou da zona nasofaríngea, e os testes serológicos, que procuram anticorpos no sangue de uma pessoa). 

Segundo o ministério da Saúde, "a capacidade de testar é uma medida essencial do controlo do coronavírus". Os testes permitem monitorizar o progresso da pandemia na população, identificar os indivíduos infetados, isolá-los, rastrear os contactos críticos próximos desses indivíduos e avaliar a imunidade do rebanho. "Tão importante como a capacidade de testar é a velocidade com que é possível testar", lê-se em comunicado.


Luxemburgo regista 425 novos casos de covid-19
Registaram-se mais quatro mortes associadas à covid-19 nas últimas 24 horas .

Os TRAs serão distribuídos aos serviços de emergência dos quatro principais hospitais (CHL, CHEM, CHdN, HRS), aos centros de consulta, aos lares e centros integrados para idosos e à Inspecção de Saúde, entre outros.

 Quem pode realizar os testes e como?

Segundo o ministério da Saúde, as pessoas que podem realizar testes rápidos, considerados mais difíceis de manusear e menos fiáveis que os testes PCR, incluem, após uma formação adequada, médicos, enfermeiros, técnicos de laboratório, parteiras, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais, psicomotricistas e terapeutas da fala.

Além disso, os bombeiros voluntários e profissionais destacados para o Corpo de Bombeiros do Grão-Ducado, bem como psicólogos, psicoterapeutas e farmacêuticos, poderão também efetuar testes tão rápidos como parte da luta contra a atual pandemia.

A amostra para o teste de rastreio rápido é colhida exclusivamente através da via nasofaríngea. É imperativo que sejam tomadas medidas preventivas adequadas durante a amostragem (luvas, máscara FFP2, bata) para evitar a contaminação da pessoa que recolhe a amostra. 

Se o teste for negativo, apesar de uma probabilidade a priori elevada de infecção, deve ser efetuado um teste PCR antes de se concluir que não existe infecção (menor sensibilidade do teste antigénico com o risco de falsos negativos). Um teste antigénico positivo está sujeito a notificação obrigatória à Inspecção de Saúde no prazo de 24 horas, de acordo com a Lei sobre a Notificação de Certas Doenças de 1 de agosto de 2018. 

Em que situações é considerada útil a utilização de testes rápidos? 

Tendo em conta a recomendação do Conselho Superior de Doenças Infecciosas (CSMI), a evolução da epidemia, a utilização recentemente recomendada noutros países europeus, e enquanto se aguarda uma posição do Centro Europeu de Controlo e Prevenção de Doenças (ECDC) sobre o valor dos testes antigénicos em várias situações, a Direcção de Saúde considera que a utilização de testes antigénicos pode ser útil no diagnóstico de doentes sintomáticos suspeitos de terem covid-19, entre o 1º e 4º dia após o início dos sintomas; na triagem de doentes sintomáticos suspeitos de terem covid-19 à entrada de um serviço de urgência hospitalar; no Centro de Consulta covid-19 (CCC) ou consultório médico.

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas