Escolha as suas informações

Covid-19. Imunidade atinge 12% no Luxemburgo
Luxemburgo 17.03.2021 Do nosso arquivo online

Covid-19. Imunidade atinge 12% no Luxemburgo

Covid-19. Imunidade atinge 12% no Luxemburgo

Foto: AFP
Luxemburgo 17.03.2021 Do nosso arquivo online

Covid-19. Imunidade atinge 12% no Luxemburgo

Susy MARTINS
Susy MARTINS
Para haver imunidade de grupo, é preciso que pelo menos 70% dos residentes estejam imunes ao vírus.

"O Luxemburgo tem atualmente uma imunidade à covid-19 de 12%, sendo que este valor tem aumentado todas as semanas". A informação foi avançada pelo virologista Thomas Dentzer à RTL.

Segundo o especialistad da Direção da Saúde, no mês de novembro do ano passado, o Luxemburgo registava uma imunidade de quase 6%, tendo subido para os 10% em janeiro. E atualmente está nos 12%. O aumento é a consequência da campanha de vacinação. 

Sem ela, a imunidade de grupo atual seria de 10%, explicou. Um valor que, no entanto, não difere muito dos 12%. Segundo os especialistas, para alcançar a imunidade de grupo pelo menos 70% dos residentes têm de estar imunes ao vírus que provoca a covid-19. 


Luxemburgo. Internamentos e mortalidade por covid-19 continuaram a subir na última semana
Na semana de 8 a 14 de março, o número de infetados também subiu 5%, segundo o o boletim de balanço semanal do Ministério da Saúde.

Segundo o site Politico.eu que disponibiliza dados em tempo real sobre a pandemia no mundo, só no verão de 2023 é que o Luxemburgo irá conseguir chegar à imunidade de grupo. O Governo prevê ter 123.379 pessoas vacinadas até ao final de abril, e diz que está preparado para vacinar 90 mil pessoas por semana caso não haja precalços com a entrega de vacinas. Esta semana o Grão-Ducado suspendeu temporariamente a vacina da AstraZeneca, por problemas de coagulação sanguínea em pacientes em vários países europeus, algo que a ministra da Saúde, Paulette Lenert, assegurou que não aconteceu no Luxemburgo

Siga-nos no Facebook, Twitter e receba as nossas newsletters diárias.


Notícias relacionadas

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) aprovou a 23 de julho o uso da vacina anticovid-19 da Moderna para crianças dos 12 aos 17 anos na União Europeia (UE), sendo este o segundo fármaco aprovado pelo regulador europeu para esta faixa etária, após a Pfizer, da BioNTech.
A confirmarem-se as previsões da Comissão Europeia, que a imunidade de grupo será atingida dentro de três meses, teremos, finalmente, luz verde para ir de férias no verão.